A problemática da progressão de regime e da ressocialização na execução penal no Brasil

DATA DE PUBLICAÇÃO

12/02/2014

RESUMO

Neste trabalho iremos analisar se a progressão de regime prisional permite que o apenado se ressocialize a fim de voltar para o convívio da sociedade. A progressão de regime é um instituto que permite que o indivíduo ao ingressar na carceragem obtenha, de acordo com seu mérito segundo a regra da progressão, passar de um regime mais rigoroso para um regime mais brando, sendo vedado passar, por exemplo, de um regime fechado para o aberto, devendo-se ter a progressão gradativa e o condenado deve ter cumprido no mínimo 1/6 (um sexto) da pena imposta na sentença ou do total de penas (no caso de várias execuções) tudo isto para possibilitar sua ressocialização. A importância que o presente trabalho demonstra é de verificar se existe a falência do sistema progressivo e suas implicações para a sociedade, pois esta é a que mais sofre os efeitos da progressão de regime e, por conseguinte da não – ressocialização. Assim, feitas tais considerações, surge a pergunta que se configura como o presente problema de pesquisa a ser discutido: a progressão do regime prisional possibilita a ressocialização? Objetivamente, a escolha deste tema de pesquisa se deu pelo fato de a progressão de regime ser um tema relevante no ordenamento jurídico por “devolver” à sociedade alguém que estava completamente privado do seu convívio. Este trabalho enfoca a importância de entender se a progressão de regime por si só irá ou não ressocializar. Em termos práticos, iremos perceber que a pesquisa presente, mostrará o fim do jus puniendi estatal. Demonstraremos alguns pontos relevantes para que este problema seja disposto de forma a ser entendido, por exemplo, a Lei de Execução penal, que em seu bojo traz elementos importantes para a ressocialização do presidiário, norma existente para que o lamentável quadro das penitenciárias venha a diminuir se bem aplicada.Justificando a importância de tal tema, nos reportamos agora ao objetivo geral, que é verificar se a progressão de regime no Brasil consegue modificar os condenados. Os objetivos específicos deste trabalho são analisar se a LEP (Lei de Execução Penal) é cumprida em sua integralidade possibilitando a ressocialização e descobrir se o modo de convivência dos detentos no ambiente prisional propicia uma ressocialização. Demonstraremos também, o que mais impede de um condenado se ressocializar, seria o tempo em que passa na cadeia ou a forma como esse tempo se passa, levando em consideração o ser humano como um fim e não como um meio, onde o princípio da dignidade da pessoa humana deveria ser intrinsecamente observado. Portanto, um dos objetivos específicos desta pesquisa é a demonstração da “efetividade” da progressão de regime prisional, sistema esse que vigora com toda força no ordenamento penal brasileiro e se encontra no art. 33, § 2º do Código Penal. A importância de se estudar sobre a progressão de regime objetiva antes de tudo, dar uma resposta ao tema, que se mostra incontroverso pela escassez de doutrina, de jurisprudência e de estudos sobre o caso.Para a finalidade dos objetivos propostos neste trabalho, a modalidade de pesquisa adotada foi a bibliográfica, que inclui análise de artigos científicos, doutrina e periódicos, fazendo uma abordagem qualitativa, com estudo sistemático e analítico da legislação vigente, tendo por tipo de pesquisa a explicativa, identificando fatores que contribuem para os fenômenos pertinentes à ressocialização. Os instrumentos a serem utilizados para que se consigam tais objetivos são: a doutrina, a Constituição Federal e tudo que possa contribuir para o esclarecimento e conhecimento do assunto que é discutido neste trabalho.

ASSUNTO(S)

direito penal. ressocialização. progressão de regime. lei de exe

Documentos Relacionados

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo

Como fazer um TCC passo a passo – plágio e softwares de TCC? O que isso tem a ver com seu TCC? TUDO! Ou você não se importa em ouvir do seu orientador: “Seu trabalho tem plágio! Zero!” É… eu sei que você se importa. O problema é que muitos alunos morrem de medo do plágio, mas não sabem exatamente quando ele acontece. Definir o plágio é muito simples. Plágio é Roubar a Ideia do Outro. Simples assim. Quando você usa uma ideia, texto ou Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo