Integração de dados morfoagronômicos, moleculares e fitopatológicos para estabelecimento de coleção nuclear / Integration of morphoagronomical, molecular and phytopathological data for setting of core collection

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

17/01/2011

RESUMO

Objetivou-se com este estudo realizar a integração de dados de caracteres quantitativos, multicategóricos, moleculares e fitopatológicos visando à avaliação da diversidade genética de subamostras de tomateiro do Banco de Germoplasma Hortaliças da Universidade Federal de Viçosa (BGH-UFV). Foi utilizado um conjunto de dados de 67 subamostras de tomateiro do BGH-UFV caracterizadas quanto a 27 caracteres quantitativos, 34 caracteres qualitativos, 144 locos ISSR, reação a Alternaria solani, Pseudomonas syringae pv. tomato e ao Tomato yellow spot vírus (ToYSV). A avaliação da diversidade genética entre as subamostras foi realizada para cada conjunto de caracteres por meio do agrupamento de Tocher e em seguida procedeu-se a comparação entre as matrizes de dissimilaridade obtidas a partir dos dados de diferentes naturezas pelo teste Z de Mantel. Embora os valores de correlação entre as matrizes tenham sido significativos a 5% probabilidade, esses foram de baixa magnitude, não oferecendo suporte para extrapolar os resultados de um conjunto de dados para outro. Assim, duas estratégias de integração dos dados foram utilizadas: CONV conversão dos dados quantitativos e fitopatológicos em multicategóricos, visando a obtenção de uma única matriz de dissimilaridade que contemplasse todas os caracteres independente de suas naturezas e a SOMA - obtenção das matrizes de dissimilaridade individualmente para cada conjunto de caracteres e em seguida a soma algébrica das mesmas. Dezessete subestratégias de conversão de dados foram analisadas, dentre essas destacou-se a DEA-3 (divisão equitativa da amplitude em três classes), cujo o valor de correlação com a matriz dissimilaridade original foi de 0,782. Ao comparar as estratégias CONV e SOMA observou-se alto valor de correlação, r=0,96, entre as matrizes de dissimilaridade obtidas por cada uma delas. No entanto, a estratégia CONV se destacou, uma vez que permitiu maior discriminação das subamostras. Foram estabelecidas 10 subcoleções a partir das 67 subamostras de tomateiro do BGH-UFV. Essas subcoleções foram definidas pela combinação entre a natureza dos dados avaliados e intensidade de amostragem. A estratégia de amostragem utilizada foi a logarítmica estratificada, e as subamostras selecionadas por estrato foram determinadas pela análise multivariada a partir do método de agrupamento de Tocher invertido. As intensidades avaliadas foram de 20 e 30%. Para a avaliação da representatividade das subcoleções estabelecidas e a definição da que melhor representou as subamostras de tomateiro do BGH-UFV foram realizadas comparações entre a coleção inicial e as subcoleções, considerando a variância e o índice de coincidência da amplitude. A análise gráfica da variabilidade foi realizada a partir do cálculo da frequência de subamostras representadas em cada classe das características quantitativas e multicategóricas, previamente convertidas em binárias, e características moleculares. Dentre as subcoleções, a 20% de intensidade, destacou-se a subcoleção baseada na integração de dados CONV-20, por possuir maiores índices de coincidência da amplitude acompanhados de valores de variância mais adequados. A 30% de intensidade, a subcoleção MOL-30 foi tão eficiente quanto as subcoleções baseadas na integração de dados, quando considerou-se apenas o índice de coincidência da amplitude e a média das variâncias. Entretanto, a análise gráfica da variabilidade mostrou uma ligeira superioridade da subcoleção CONV-30 em manter a variabilidade, principalmente em relação aos caracteres multicategóricos. Sempre que dados de diferentes naturezas estiverem disponíveis, deve-se priorizar o estabelecimento de coleções nucleares a partir da integração destes dados.

ASSUNTO(S)

melhoramento vegetal codificação de dados tomateiro diversidade genética data coding tomato genetic diversity

Documentos Relacionados

Se o seu (des)orientador pediu para você fazer os Resultados e Discussão no TCC, mas não te explicou o que é isso e nem mostrou Como Fazer, este artigo é para você! Você quer Aprender Definitivamente O Que São e Como Fazer os Resultados e Discussão no seu TCC, não quer? Então, você tem que dar uma olhada no VÍDEO deste artigo. Aprenda de maneira Rápida e Definitiva Como Fazer os Resultados e Discussão no TCC, com exemplos Simples e Objetivos para trabalhos com Pesquisa de Campo Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo