Representações sociais de mulheres profissionais do sexo sobre a AIDS

AUTOR(ES)
FONTE

Estudos de Psicologia (Natal)

DATA DE PUBLICAÇÃO

2004

RESUMO

Este estudo trata do risco da AIDS para profissionais do sexo e seus parceiros. Foram entrevistadas 40 mulheres com idade entre 19 e 47 anos. Pouco menos da metade tinha parceiro fixo. Utilizaram-se entrevistas semi-estruturadas para a obtenção do material verbal, que foi analisado pelo software ALCESTE. Verificaram-se três aspectos da representação social da AIDS: o primeiro destaca-a como uma doença do "outro" (48,3% das unidades de contexto elementar, ou UCE); o segundo define-a como uma doença que ameaça todos os que não usam preservativo (26,7% das UCEs); e o terceiro estabelece ligação da AIDS com uso de drogas e pessoas "suspeitas" (25,0% das UCEs). Conclui-se que as mulheres que têm relação com parceiro fixo não-cliente e com clientes são mais vulneráveis que as outras, pois elas não transferem a experiência de proteção adotada diante dos clientes para as relações com seus parceiros fixos.

ASSUNTO(S)

representações sociais profissionais do sexo aids preservativo




Comentários