THE IMPACT OF BRAZILIAN SAMBA ON PARKINSON’S DISEASE: ANALYSIS BY THE DISEASE SUBTYPES

AUTOR(ES)
FONTE

Rev Bras Med Esporte

DATA DE PUBLICAÇÃO

13/01/2020

RESUMO

RESUMO Introdução: As pessoas com doença de Parkinson constantemente apresentam baixos níveis de atividade física. A dança tem se tornado cada vez mais importante para o tratamento da doença e pode ajudar a melhorar os sintomas não motores. Objetivo: Analisar a influência do samba brasileiro nos sintomas não motores da DP, segundo os subtipos TD e PGID. Métodos: Ensaio clínico não randomizado com duração de 12 semanas por meio de comparação com grupo controle. Os 23 indivíduos que aceitaram participar das atividades formaram o grupo experimental (GE) e os 24 indivíduos que optaram por não participar das aulas de dança brasileira formaram o grupo controle (GC). Um questionário foi aplicado, composto por instrumentos validados: Mini Exame do Estado Mental - MEEM; HY - Escala de Grau de Incapacidade; Escala Unificada de Avaliação da Doença de Parkinson - UPDRS 1 e valores totais; Questionário sobre a Doença de Parkinson - PDQ-39; Escala de Sono para a Doença de Parkinson - PDSS; Inventário de Depressão de Beck - BDI; Escala de Severidade de Fadiga - FSS e Magnitude das Alterações Percebidas. Resultados: Após doze semanas de intervenção, observou-se que o GE apresentou melhora nos escores de todos os testes. A comparação entre os grupos, no entanto, indicou uma diferença significativa no período pós-UPDRS1 em que o GE apresentou melhora no comprometimento cognitivo, enquanto o GC apresentou déficit nesses valores. Os resultados da divisão entre os subtipos da doença apresentam uma maior mudança nos valores entre os indivíduos do grupo TD ao comparar o GE com o GC. Em relação ao GE, a maior diferença entre a pré e pós-intervenção foi relacionada à fadiga. Conclusão: Houve tendência positiva em todas as variáveis estudadas após a aplicação do protocolo. Isso demonstra que intervenções como a dança podem ter maiores efeitos sobre os sintomas não motores, dependendo da progressão esperada da doença. A escassez de estudos que utilizam essa abordagem em suas análises pode explicar a falta de evidências nessa sintomatologia relacionadas à dança. Nível de evidência II; Estudos terapêuticos–Investigação dos resultados do tratamento.ABSTRACT Introduction: People with Parkinson's disease constantly have low levels of physical activity. Dancing has become increasingly important for treating the disease and can help improve non-motor symptoms. Objective: To analyze the influence of Brazilian samba on the non-motor symptoms of PD according to TD and PGID subtypes. Methods: A 12-week, non-randomized clinical trial, through comparison with a control group. The 23 individuals who agreed to participate in the activities formed the experimental group (EG) and the 24 individuals who opted not to participate in the Brazilian samba classes comprised the control group (CG). A questionnaire was applied, composed of validated instruments. Mini Mental State Examination – MMSE; HY – Disability Scale; Unified Parkinson's Disease Rating Scale – UPDRS 1 and total values; Parkinson's Disease Questionnaire – PDQ-39, Parkinson's Disease Sleep Scale – PDSS; Beck Depression Inventory – BDI; Fatigue Severity Scale – FSS and Magnitude of Perceived Changes. Results: After the twelve weeks of intervention, it was observed that the EG showed improvement in the scores of all the tests. The comparison between groups, however, indicated a significant difference in the post-UPDRS1 period in which the EG presented improvement in cognitive impairment, while the CG presented a deficit in these values. The results of the division between disease subtypes show a greater change in the values between individuals of the TD group, when comparing the EG with the CG. For the EG, the greatest difference between pre- and post- intervention was fatigue. Conclusion: There was a positive trend in all the variables studied after the application of the protocol. This demonstrates that interventions such as dance may have greater effects on non-motor symptoms, depending on the expected progression of the disease. The scarcity of studies that use this approach in their analyses may explain the lack of evidence in this symptomatology related to dance. Level of evidence II; Therapeutic studies – Investigating the results of treatment.

Documentos Relacionados