Relationships between corneal biomechanics and the structural and functional parameters of glaucoma damage

AUTOR(ES)
FONTE

Arq. Bras. Oftalmol.

DATA DE PUBLICAÇÃO

25/11/2019

RESUMO

RESUMO Objetivo: Investigar as relações entre (i) espessura da camada de fibras nervosas da retina, topografia do nervo óptico e parâmetros do campo visual e (ii) propriedades biomecânicas da córnea, em controles normais e pacientes com hiperten são ocular e glaucoma primário de ângulo aberto. Métodos: Este estudo observacional, transversal, incluiu 68 olhos com glaucoma primário de ângulo aberto, 99 olhos com hipertensão ocular e 133 olhos controle. As propriedades biomecânicas da córnea, as características topográficas da cabeça do nervo óptico, a espessura da camada de fibras nervosas da retina e os campos visuais foram avaliados em todos os casos. As propriedades biomecânicas da córnea, a espessura da camada de fibras nervosas da retina e as características topográficas da cabeça do nervo óptico foram comparadas entre os grupos. As associações entre medidas estruturais e funcionais de danos glaucomatosos e fatores biomecânicos da córnea também foram avaliadas. Resultados: Valores de histerese corneana e da resistência corneana foram significativamente menores nos grupos com glaucoma primário de ângulo aberto e hipertensão ocular em com paração ao grupo controle, mas não houve diferenças significativas entre os grupos de glaucoma primário de ângulo aberto e hipertensão ocular. No grupo com hipertensão ocular, não foram observadas associações entre histerese da córnea e o fator de resistência corneana com os valores e os parâmetros estruturais e funcionais. No grupo com glaucoma primário de ângulo aberto foram observadas correlações positivas entre os valores de histerese corneana e a espessura a camada de fibras nervosas da retina (p<0,01, r=0,27), espessura média da camada de fibras nervosas da retina (p<0,01, r=0,33) e desvio médio (p<0,01, r=0,26), e correlações negativas entre o os valores do fator de resistência da córnea e a área de escavação (p<0,01, r=-0,39), a relação escavação/disco (p=0,02, r=-0,28), a relação copo-para-disco linear (p=0,02, r=-0,28) e a forma da escavação (p=0,03, r=-0,26). No grupo controle, correlações foram detectadas entre a histerese da córnea e área de escavação (p=0,03, r=0,19), relação escavação/disco (p=0,01, r=0,21) e relação copo-para-disco linear (p=0,01, r=0,22). Conclusões: Correlações distintas foram identificadas entre histerese da córnea e os valores de resistência da córnea e os parâmetros funcionais e estruturais nos grupos de glaucoma primário de ângulo aberto e controle. A histerese da córnea e o fator de resistência da córnea podem ter diferentes papéis na fisiopatologia do glaucoma.ABSTRACT Purpose: To investigate the relationships between (i) thickness of the retinal nerve fiber layer, optic nerve head topography, and visual field parameters and (ii) corneal biomechanical properties in normal controls and patients with ocular hypertension and primary open-angle glaucoma. Methods: This observational, cross-sectional study included 68 eyes with primary open-angle glaucoma, 99 eyes with ocular hypertension and 133 control eyes. Corneal biomechanical properties, optic nerve head topographic features, retinal nerve fiber layer thickness, and visual fields were assessed in all cases. Corneal biomechanical properties, retinal nerve fiber layer thicknesses, and optic nerve head topographic features were compared among the groups. The associations between structural and functional measures of glaucomatous damage and corneal biomechanical factors were also evaluated. Results: Significantly lower corneal hysteresis and corneal resistance factor values were observed in the primary open-angle glaucoma and ocular hypertension groups as compared with the control group, but there were no significant differences between the primary open-angle glaucoma and ocular hypertension groups. In the ocular hypertension group, no associations were observed between the corneal hysteresis and corneal resistance factor with values and the structural and functional parameters. In the primary open-angle glaucoma group, positive correlations were observed between the corneal hysteresis values and the global retinal nerve fiber layer thickness (p<0.01, r=0.27), mean retinal nerve fiber layer thickness (p<0.01, r=0.33), and mean deviation (p<0.01, r=0.26), and negative correlations were observed between the corneal resistance factor values, and the cup area (p<0.01, r=-0.39), cup-to-disk ratio (p=0.02, r=-0.28), linear cup-to-disk ratio (p=0.02, r=-0.28), and cup shape (p=0.03, r=-0.26). In the control group, weak correlations were detected between the corneal hysteresis and the cup area (p=0.03, r=0.19), cup-to-disk ratio (p=0.01, r=0.21), and linear cup-to-disk ratio (p=0.01, r=0.22). Conclusions: Distinct correlations were identified between the corneal hysteresis and corneal resistance factor values and the functional and structural parameters in the primary open-angle glaucoma and control groups. Corneal hysteresis and corneal resistance factor may have different roles in the pathophysiology of glaucoma.

Documentos Relacionados

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

Como fazer TCC? Nas últimas semanas tenho visto milhares de alunos com dificuldades, sem saber o que fazer, que simplesmente ficam parados na frente do computador e não conseguem escrever uma única palavra sequer. Neste texto, nós vamos ver como mudar essa situação de uma vez por todas! Alguns alunos me mandam e-mails perguntando Como Fazer TCC passo a passo. Bom, em primeiro lugar, essa é uma dificuldade muito comum, vivida por 99,9% dos alunos de faculdades no Brasil e no mundo! Os outros 0,01% Ler artigo

Se o seu (des)orientador pediu para você fazer os Resultados e Discussão no TCC, mas não te explicou o que é isso e nem mostrou Como Fazer, este artigo é para você! Você quer Aprender Definitivamente O Que São e Como Fazer os Resultados e Discussão no seu TCC, não quer? Então, você tem que dar uma olhada no VÍDEO deste artigo. Aprenda de maneira Rápida e Definitiva Como Fazer os Resultados e Discussão no TCC, com exemplos Simples e Objetivos para trabalhos com Pesquisa de Campo Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo