Rastreamento de mutações nos genes G6PT1 e AGL em pacientes com glicogenose

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2001

RESUMO

As doenças de depósito de glicogênio (GSD) incluem aproximadamente 12 tipos, onde existe falta de uma ou de diversas enzimas que metabolizam o glicogênio normal e são também chamadas de glicogenoses. Os acúmulos intracelulares do glicogênio afetam principalmente células hepáticas, renais, músculo cardíaco e esquelético. As diferentes formas de GSD foram classificadas de acordo com a ordem cronológica em que os defeitos enzimáticos foram identificados. A GSDI compreende um grupo de doenças raras, com padrão de herança autossômico recessivo apresentando grande heterogeneidade clínica e bioquímica. Existem dois principais subgrupos, GSDIa e Ib, confirmados em nível molecular. O subtipo Ia se refere à deficiência da enzima glicose-6-fosfatase (G6Pase), enzima responsável pela manutenção da glicose sanguínea; a GSDIb relacionada à deficiência da glicose-6-fosfato translocase (G6PTl) responsável pelo transporte da glicose-6-fosfato para o lúmen do retículo endoplasmático, onde a unidade catalítica da G6Pase está situada. Outros subgrupos menos comuns foram também identificados, tais como o subgrupo Ic que envolve o transporte de fosfato e pirofosfato e, finalmente, Id que envolve a enzima responsável pelo retomo da glicose do lúmen do retículo para o citosol, existindo, no entanto, controvérsia com relação à classificação desses últimos subtipos. A GSDID é causada pela deficiência da enzima bifuncional AGL, uma proteína monomérica com dois sítios catalíticos diferentes: oligo-l, 4-1,4 glucontransferase e amilo-1,6-glucosidase, e para o funcionamento normal, ambas as atividades são requeridas. A enzima AGL combinada à ação da fosforilase é responsável pela completa degradação do glicogênio. Devido à heterogeneidade clínica dos tipos I e m, durante a infância é difícil se diferenciar clinicamente as duas formas, ambas apresentando sintomas similares de hepatomegalia, hipoglicemia, hiperlipidemia,retardo de crescimento entre outros. Neste trabalho foram estudados 14 indivíduos com sinais clínicos sugestivos de GSDI onde não foram encontradas alterações no gene da G6Pase, responsável pelo subtipo Ia, esses pacientes são, portanto classificados como tipo I non-Q. O gene G6PTl foi seqüenciado completamente em todos os pacientes estudados e dois deles foram diagnosticados em nível molecular como sendo na verdade GSDIb. Foram estudados 6 exons do gene AGL, onde estão localizadas a maioria das mutações descritas até o momento no gene, e somente foram detectados polimorfismos em todos os indivíduos estudados. O protocolo molecular desenvolvido no presente trabalho mostrou-se adequado para o rastreamento de mutações, apesar de terem sido diferenciados molecularmente somente dois indivíduos com subtipo Ib

ASSUNTO(S)

glicose mutação (biologia) engenharia genetica glicogenio

Documentos Relacionados

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo

Como fazer TCC? Nas últimas semanas tenho visto milhares de alunos com dificuldades, sem saber o que fazer, que simplesmente ficam parados na frente do computador e não conseguem escrever uma única palavra sequer. Neste texto, nós vamos ver como mudar essa situação de uma vez por todas! Alguns alunos me mandam e-mails perguntando Como Fazer TCC passo a passo. Bom, em primeiro lugar, essa é uma dificuldade muito comum, vivida por 99,9% dos alunos de faculdades no Brasil e no mundo! Os outros 0,01% Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Como fazer um TCC passo a passo – plágio e softwares de TCC? O que isso tem a ver com seu TCC? TUDO! Ou você não se importa em ouvir do seu orientador: “Seu trabalho tem plágio! Zero!” É… eu sei que você se importa. O problema é que muitos alunos morrem de medo do plágio, mas não sabem exatamente quando ele acontece. Definir o plágio é muito simples. Plágio é Roubar a Ideia do Outro. Simples assim. Quando você usa uma ideia, texto ou Ler artigo