Qual o antibiótico mais efetivo para o tratamento de crianças com pneumonia comunitária?

DATA DE PUBLICAÇÃO

19/11/2007

RESUMO

O tema é relevante para APS. No Brasil, a insuficiência respiratória aguda, que pode ser uma das complicações de pneumonias, representa a segunda causa de óbito em crianças menores de cinco anos. O impacto das pneumonias na mortalidade infantil ainda é preocupante nos países em desenvolvimento. Os fatores de risco envolvidos no aparecimento de pneumonias em crianças, principalmente, para evolução desfavorável e mortalidade, são prioridades para identificação, vigilância e cuidado em APS (como vacinação incompleta, ausência de aleitamento materno, condições sócio-econômicas e ambientais inadequadas, baixo peso ao nascer, entre outros).
Os casos selecionados e os desfechos avaliados pelo estudo foram basicamente clínicos, o que amplia sua relevância em APS, pois muitas vezes enfrentamos dificuldades para obtermos exames complementares que auxiliem o diagnóstico. E os desfechos clínicos são os de maior interesse para os pacientes. Além disso, entre os antibióticos avaliados, alguns são bastante utilizados, inclusive estando disponíveis em muitas Unidades Básicas de Saúde, como o co-trimoxazol e a amoxicilina.
No entanto, o fato desse estudo ter demonstrado que a amoxicilina e a penicilina procaína foram mais efetivas que o co-trimoxazol, em relação a alguns dos desfechos avaliados no contexto de nosso interesse (ambulatorial), pode implicar algumas considerações. A Organização Mundial de Saúde recomenda que, em casos de pneumonia infantil sem complicações em países onde as taxas mortalidade sejam superiores a 40 por 1000 nascimentos, o antibiótico de primeira escolha seja o co-trimoxazol. À luz dessa revisão sistemática, essas recomendações provavelmente deveriam ser melhor avaliadas.
O custo da amoxicilina é mais elevado que o do co-trimoxazol, se considerarmos o seu uso por cinco dias. Mas já existem dois estudos demonstrando que talvez não haja diferença quanto ao uso de três ou de cinco dias de amoxicilina para tratamento de pneumonias não complicadas em crianças. A redução para três dias de amoxicilina, caso comprovada, reduziria também o custo do tratamento, sendo de grande interesse para saúde pública. Na suspeita de germes atípicos (crianças acima de 6 anos), pode-se optar por macrolídeos.
Devido à existência de vários antibióticos para o tratamento de pneumonias comunitárias, há necessidade de mais estudos, usando metodologia similar e maior número de pacientes para comparar amoxicilina com amoxicilina mais ácido clavulânico, macrolídeos com amoxicilina e amoxicilina com cefalosporinas orais. Uma comparação entre co-trimoxazol e amoxicilina (três dias) irá ter relevância significante para saúde pública em países de baixa renda.

 

ASSUNTO(S)

pneumonia/tratamento farmacológico combinação trimetoprima e sulfametoxazol amoxicilina criança

Documentos Relacionados