O conceito de memória na ciência da informação no Brasil : uma análise da produção científica dos programas de pós-graduação

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2010

RESUMO

Pesquisa descritiva e explicativa que tem como objetivo compreender como a Ciência da Informação (CI) se apropria de conceitos, partindo do caso específico da apropriação e da reformulação do conceito de memória na produção científica da área no Brasil. Adota como referencial teórico o modelo de construção do conhecimento proposto por Wersig, conforme o qual, a Ciência da Informação deve tecer uma rede conceitual a partir da reformulação de modelos genéricos e interconceitos. Estabelece, como hipóteses, que a apropriação do conceito de memória na Ciência da Informação, no Brasil, acompanha tendências presentes na literatura internacional, sendo, também, influenciada por dois fatores relacionados às condições de produção das mensagens: o contexto e seus produtores. Os objetivos específicos são: identificar os atratores do conceito de memória na Ciência da Informação; analisar suas apropriações e reformulações na produção intelectual da CI no Brasil; verificar a existência de relações entre a produção de trabalhos sobre memória e a área de graduação dos autores e/ou ao programa de pós-graduação em CI nos quais os trabalhos foram produzidos. A produção científica da área é o campo empírico da pesquisa. A literatura internacional é representada pelos artigos indexados na base Library and Information Science Abstracts (LISA), enquanto a literatura nacional é representada pelos artigos publicados nos periódicos especializados, pelas teses e dissertações defendidas nos programas de pós-graduação em CI e pelas comunicações apresentadas nos Encontros Nacionais de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIBs). Adota a pesquisa documental e bibliográfica como procedimento e, como método, a análise de conteúdo. Para a análise quantitativa dos dados, utiliza-se do Corpógrafo, plataforma de análise sobre corpora. Os resultados obtidos evidenciam a pouca relevância do tema na literatura da área. Foi possível observar que a apropriação do conceito de memória na CI, no Brasil, acompanha parcialmente a literatura internacional, especialmente, no que se relaciona à informação como componente da memória social. Questões presentes na literatura internacional, relativas à memória como capacidade biológica e às memórias artificiais possibilitadas pelas novas tecnologias não se constituem em pólos de interesse, limitando-se à contribuição pontual de alguns autores. A origem acadêmica dos autores, definida pela sua graduação, mostrou ser a variável mais significativa na produção de estudos sobre o tema, desenvolvidos, em sua maioria, por egressos de cursos cujo objeto de estudo é o documento: Biblioteconomia, História e Museologia. Verificou-se que os autores mais produtivos são egressos de programas de pós-graduação em CI, mas não desenvolvem suas pesquisas nesses programas, apesar de divulgarem seus estudos em periódicos e eventos específicos da Ciência da Informação. Verificou-se, ainda, a existência de um núcleo de estudos teóricos sobre memória, tendência não identificada na literatura internacional. O estudo confirmou parcialmente as hipóteses formuladas, constatando a apropriação do conceito de memória pela Ciência da Informação no Brasil, em apenas um dos aspectos identificados na literatura internacional, o aspecto social. Essa apropriação mostrou ser mais diretamente influenciada pela formação acadêmica dos emissores das mensagens do que pelo contexto de produção das mesmas.

ASSUNTO(S)

memória ciência da informação arquivologia ciencia da informacao memory information science archival science

Documentos Relacionados

TCC Pronto e Gratuito? Sério mesmo? Você acredita em almoço de graça? Comprar um TCC Pronto? Fazer o Próprio TCC? Você ainda tem dúvidas como essas? Você PRECISA ver este Artigo com Urgência! Neste artigo você encontrará: TCC Pronto e Gratuito Comprar TCC Pronto É só me corrigir se eu estiver errado, mas as pessoas Adoram Atalhos, certo? O problema é que, muitas vezes, ATALHOS São ARMADILHAS DISFARÇADAS. Então, se você quer Fugir das Armadilhas e quer saber a Verdade sobre TCC Pronto, TCC Pronto e Ler artigo

Se o seu (des)orientador pediu para você fazer os Resultados e Discussão no TCC, mas não te explicou o que é isso e nem mostrou Como Fazer, este artigo é para você! Você quer Aprender Definitivamente O Que São e Como Fazer os Resultados e Discussão no seu TCC, não quer? Então, você tem que dar uma olhada no VÍDEO deste artigo. Aprenda de maneira Rápida e Definitiva Como Fazer os Resultados e Discussão no TCC, com exemplos Simples e Objetivos para trabalhos com Pesquisa de Campo Ler artigo

Como fazer um TCC passo a passo – plágio e softwares de TCC? O que isso tem a ver com seu TCC? TUDO! Ou você não se importa em ouvir do seu orientador: “Seu trabalho tem plágio! Zero!” É… eu sei que você se importa. O problema é que muitos alunos morrem de medo do plágio, mas não sabem exatamente quando ele acontece. Definir o plágio é muito simples. Plágio é Roubar a Ideia do Outro. Simples assim. Quando você usa uma ideia, texto ou Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo