North Atlantic Perspectives: A Forum on Stuart Hall’s The Fateful Triangle: Race, Ethnicity, Nation, Part I

AUTOR(ES)
FONTE

Contexto int.

DATA DE PUBLICAÇÃO

29/07/2019

RESUMO

Resumo Stuart Hall, um acadêmico fundador da Escola de Birmingham de estudos culturais e eminente teórico de etnia, identidade e diferença na diáspora africana, bem como um dos principais analistas da política cultural dos anos Thatcher e pós-Thatcher, realizou as Palestras W. E. B. Du Bois na Universidade de Harvard em 1994. Nas palestras, publicadas após um atraso de quase um quarto de século como The Fateful Triangle: Race, Ethnicity, Nation (2017), Hall avança o argumento de que a raça, pelo menos nos contextos do Atlântico Norte, funciona como um ‘significante escorregadio,’ de modo que, mesmo depois que a noção de uma essência biológica para a raça tenha sido amplamente desacreditada, o raciocínio racial, no entanto, se renova ao essencializar outras características, como a diferença cultural. Substituindo a famosa díade de Michel Foucault com conhecimento-poder-diferença, Hall argumenta que pensar através do triângulo fatídico da raça, etnia e nação nos mostra como os sistemas discursivos tentam lidar com a diferença humana. A Parte I do fórum examina criticamente as promessas e potenciais problemas do trabalho de Hall a partir do contexto da América do Norte e da Europa Ocidental, na esteira do #BlackLivesMatter e do Brexit. Donna Jones sugere que, embora as principais contribuições da Escola de Birmingham destruíssem todas as certezas sobre a identidade de classe, as palestras de Du Bois proferidas por Hall podem ser inadequadas a um momento em que os apelos racistas e étnico-nacionalistas ascendentes nos EUA e na Europa e que, portanto, o trabalho anterior de Paul Gilroy sobre raça e classe merece uma atenção renovada. Kevin Bruyneel examina o trabalho de Hall sobre raça em relação a três análises que expõem as práticas materiais do racismo: intersetorialidade, capitalismo racial e colonialismo de colonos. William Garcia na contribuição final nos pede para pensar sobre os nativismos negros anti-imigrantes tolerados e até encorajados pelos discursos da identidade afro-americana e por referências não marcadas à negritude no contexto dos EUA. Em ‘Fateful Triangles in Brazil’, Parte II do Fórum da Contexto Internacional sobre The Fateful Triangle, três estudiosos trabalham com e contra os argumentos de Hall do ponto de vista da política racial no Brasil.Abstract Stuart Hall, a founding scholar in the Birmingham School of cultural studies and eminent theorist of ethnicity, identity and difference in the African diaspora, as well as a leading analyst of the cultural politics of the Thatcher and post-Thatcher years, delivered the W. E. B. Du Bois Lectures at Harvard University in 1994. In the lectures, published after a nearly quarter-century delay as The Fateful Triangle: Race, Ethnicity, Nation (2017), Hall advances the argument that race, at least in North Atlantic contexts, operates as a ‘sliding signifier,’ such that, even after the notion of a biological essence to race has been widely discredited, race-thinking nonetheless renews itself by essentializing other characteristics such as cultural difference. Substituting Michel Foucault’s famous power-knowledge dyad with power-knowledge-difference, Hall argues that thinking through the fateful triangle of race, ethnicity and nation shows us how discursive systems attempt to deal with human difference. Part I of the forum critically examines the promise and potential problems of Hall’s work from the context of North America and western Europe in the wake of #BlackLivesMatter and Brexit. Donna Jones suggests that, although the Birmingham School’s core contributions shattered all certainties about class identity, Hall’s Du Bois Lectures may be inadequate to a moment when white racist and ethno-nationalist appeals are ascendant in the USA and Europe and that, therefore, his and Paul Gilroy’s earlier work on race and class deserve our renewed attention. Kevin Bruyneel examines Hall’s work on race in relation to three analytics that foreground racism’s material practices: intersectionality, racial capitalism and settler colonialism. William Garcia in the final contribution asks us to think about the anti-immigrant black nativisms condoned and even encouraged by discourses of African-American identity and by unmarked references to blackness in the US context. In ‘Fateful Triangles in Brazil,’ Part II of Contexto Internacional’s forum on The Fateful Triangle, three scholars work with and against Hall’s arguments from the standpoint of racial politics in Brazil.

Documentos Relacionados

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

TCC Pronto e Gratuito? Sério mesmo? Você acredita em almoço de graça? Comprar um TCC Pronto? Fazer o Próprio TCC? Você ainda tem dúvidas como essas? Você PRECISA ver este Artigo com Urgência! Neste artigo você encontrará: TCC Pronto e Gratuito Comprar TCC Pronto É só me corrigir se eu estiver errado, mas as pessoas Adoram Atalhos, certo? O problema é que, muitas vezes, ATALHOS São ARMADILHAS DISFARÇADAS. Então, se você quer Fugir das Armadilhas e quer saber a Verdade sobre TCC Pronto, TCC Pronto e Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Como fazer TCC? Nas últimas semanas tenho visto milhares de alunos com dificuldades, sem saber o que fazer, que simplesmente ficam parados na frente do computador e não conseguem escrever uma única palavra sequer. Neste texto, nós vamos ver como mudar essa situação de uma vez por todas! Alguns alunos me mandam e-mails perguntando Como Fazer TCC passo a passo. Bom, em primeiro lugar, essa é uma dificuldade muito comum, vivida por 99,9% dos alunos de faculdades no Brasil e no mundo! Os outros 0,01% Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo