Inidoneidade fiscal no âmbito do ICMS

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

29/10/2012

RESUMO

O objetivo do presente trabalho é estudar a inidoneidade fiscal no âmbito do ICMS e os efeitos de sua declaração. Após o estabelecimento das premissas básicas, foi abordada a idoneidade fiscal. E não poderia ser diferente, afinal, para que as críticas sobre a declaração de inidoneidade fiscal tivessem sentido, foi necessário entender a finalidade e os mecanismos da idoneidade. Esclarecidas as condições da idoneidade fiscal e as repercussões de seu descumprimento, é possível concluir que a inidoneidade fiscal, além de obstar o exercício da não-cumulatividade por parte de quem recebe mercadorias ou toma serviços com intuito comercial, pode ensejar a autuação do mesmo para estorno dos créditos, o pagamento do imposto devido, com juros e multa, em caso de presumido interesse comum na operação ou prestação realizada sem documentação fiscal (com nota fiscal declarada inidônea), e ainda implicar cessação de atividades de quem esteja em situação irregular perante a Secretaria da Fazenda e responsabilização dos sócios para fins penais, nestas duas últimas situações se enquadrando o emitente da nota. Isto quando o Fisco não retroage os efeitos da declaração da inidoneidade fiscal da data da constatação ou da data de presunção do ato faltoso à data do evento ou à data provável do evento, implicando nulidade de todas as operações e prestações sujeitas ao ICMS, como o estabelecimento do emitente nunca tivesse existido. Piora a situação quando a publicidade é dispensada, por se entender que a declaração declara uma situação existente e não a constitui. Considerando a fragilidade no fundamento de validade de alguns veículos normativos, em especial das Portarias do Coordenador da Administração Tributária e dos Regulamentos de ICMS que preveem que a prova somente pode ser produzida em favor do Fisco no caso de presumida inidoneidade, e o debate sobre a relevância ou não da intenção do agente na responsabilidade por infrações do artigo 136 do Código Tributário Nacional, foi imprescindível o estudo da prova e da boa-fé. Sem estas ponderações, não haveria clareza para a atribuição de responsabilidades tributárias a quem de direito, mormente a responsabilidade por infrações. Além do que, todo o sistema do direito positivo ruiria sem a devida sustentação de importantes princípios constitucionais (legalidade, ampla defesa e contraditório, irretroatividade, publicidade, moralidade administrativa e segurança jurídica). Para finalizar e também facilitar a compreensão de todos estes pontos, foram trazidas as razões de decidir de alguns tribunais, começando pelo Superior Tribunal de Justiça com o julgamento do Recurso Especial n 1.148.444/MG, escolhido como representativo de recurso repetitivo

ASSUNTO(S)

publicity dismiss retroatividade responsabilidade tributária tax reliability direito idoneidade fiscal prova presunção boa-fé nãocumulatividade do icms dispensa de publicidade ilícito tributário proof presumptions good faith icms non-cumulative principle retroactiviteness tax illicit tax responsibility

Documentos Relacionados

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo

Como fazer um TCC passo a passo – plágio e softwares de TCC? O que isso tem a ver com seu TCC? TUDO! Ou você não se importa em ouvir do seu orientador: “Seu trabalho tem plágio! Zero!” É… eu sei que você se importa. O problema é que muitos alunos morrem de medo do plágio, mas não sabem exatamente quando ele acontece. Definir o plágio é muito simples. Plágio é Roubar a Ideia do Outro. Simples assim. Quando você usa uma ideia, texto ou Ler artigo