Glicerol na dieta de tilÃpias do Nilo (Oreochromis niloticus) / Glycerol in diet for Nile tilÃpia (Oreochromis niloticus)

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2011

RESUMO

O maior custo de produÃÃo em um cultivo de peixes està relacionado a nutriÃÃo dos animais que passa dos 50%, por isso, foram realizados dois experimentos baseados na digestibilidade e inclusÃo do glicerol para tilÃpias do Nilo (Oreochromis niloticus). O objetivo deste trabalho foi avaliar a digestibilidade aparente de trÃs fontes de glicerÃis, bruto Ãleo vegetal (GBV), glicerol semi-purificado misto (GSM) e glicerol semi-purificado vegetal (GSV) (experimento 1) e, posteriormente determinar atà que nÃvel de inclusÃo esse alimento pode ser utilizado em dietas para tilÃpias e se o mesmo provoca alteraÃÃes nas caracterÃsticas bioquÃmicas do sangue e na composiÃÃo centesimal dos animais (experimento 2). No experimento 1, utilizou-se 40 peixes com peso mÃdio de 343,12  77,71 g, distribuÃdos em quatro tanques de 180 litros com fundo cÃnico, num delineamento experimental em quadrado latino. Foram confeccionadas quatro dietas experimentais, sendo uma referÃncia e trÃs testes, compostas com a inclusÃo de 20% do alimento teste e 80% da dieta referÃncia. Como indicador foi utilizado o Ãxido de cromioIII (0,1% da dieta). Foram obtidos valores de energia digestÃvel do glicerol bruto Ãleo vegetal (GBV), glicerol semi-purificado misto (GSM) e glicerol semi-purificado vegetal (GSV), de 3058,55; 2610,55; 1754,70 kcal.kg-1, respectivamente. Para o experimento 2, utilizou-se o glicerol que possuÃa maior quantidade de energia digestÃvel (GBV) e confeccionou-se cinco raÃÃes, contendo nÃveis crescentes de glicerol (0,0; 2,5; 5,0; 7,5 e 10%), por um perÃodo de 79 dias e fornecidas a 300 juvenis de tilÃpia do Nilo com peso mÃdio de 29,15  8,40 g e 11,55  0,87 cm de comprimento. ApÃs esse perÃodo foi avaliado o desempenho dos animais atravÃs do peso final (PF), comprimento final (CF), sobrevivÃncia (SO), ganho de peso (GP), conversÃo alimentar (CA), taxa de crescimento especÃfico (TCE) fator de condiÃÃo (FC), Ãndice hepatossomÃtico (IHS) e gordura visceral (GV). Para as avaliaÃÃes dos parÃmetros bioquÃmicos do sangue foram avaliados proteÃna (PROT), triglicerÃdeos (TRIG), colesterol (COLE), lipoproteÃna HDL, glicose (GLIC) e lipoproteÃnas VLDL e LDL. Para a determinaÃÃo da composiÃÃo centesimal foram avaliadas a umidade, lipÃdeos, proteÃnas e cinzas. NÃo houve diferenÃa estatÃstica entre os diferentes tratamentos sobre o desempenho zootÃcnico dos animais. Para os parÃmetros bioquÃmicos apenas a lipoproteÃna HDL teve diferenÃa estatÃstica (P<0,05), sendo superior no grupo de peixes alimentados com 0,0 e 7,5%, nÃo diferindo dos animais que foram alimentados com 5,0 e 10,0%. Para a composiÃÃo centesimal dos juvenis de tilÃpia foi verificada diferenÃa na quantidade de lipÃdeos (P<0,05), que tiveram os maiores valores nos peixes alimentados com 5,0% de glicerol. Pode ser incluso 10% do alimento que nÃo ocorre prejuÃzos zootÃcnicos nem qualquer dano a saÃde dos animais.

ASSUNTO(S)

aquicultura tilÃpias digestibilidade glicerol alimento alternativo aquaculture tilÃpia digestibility glycerol alternative food recursos pesqueiros e engenharia de pesca tilÃpia do nilo (oreochromis niloticus) - alimentaÃÃo e raÃÃes tilÃpia do nilo (oreochromis niloticus) - nutriÃÃo peixes - dieta com glicerol nutriÃÃo animal glicerol como raÃÃo

Documentos Relacionados

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo

Se o seu (des)orientador pediu para você fazer os Resultados e Discussão no TCC, mas não te explicou o que é isso e nem mostrou Como Fazer, este artigo é para você! Você quer Aprender Definitivamente O Que São e Como Fazer os Resultados e Discussão no seu TCC, não quer? Então, você tem que dar uma olhada no VÍDEO deste artigo. Aprenda de maneira Rápida e Definitiva Como Fazer os Resultados e Discussão no TCC, com exemplos Simples e Objetivos para trabalhos com Pesquisa de Campo Ler artigo