Fisiopatologia do diabetes melitotipo 2 no jovem: um camaleão em evolução

AUTOR(ES)
FONTE

Arq Bras Endocrinol Metab

DATA DE PUBLICAÇÃO

2009-03

RESUMO

Em um cenário de uma epidemia de obesidade, o diabetes melito tipo 2 (DM2) em crianças e adolescentes é um importante problema de Saúde Pública. As manifestações clínicas do DM2 na juventude são heterogêneas e vão desde sintomas leves até a cetoacidose diabética. As taxas crescentes de DM2 no jovem seguem em paralelo ao aumento da obesidade, a qual constitui o mais importante fator de risco para a redução da sensibilidade à insulina. Outras condições de risco para o DM2 são: minorias étnicas, história familiar de DM2, diabetes materno durante a gestação, idade puberal e situações associadas à resistência à insulina (RI) - como a síndrome dos ovários policísticos (SOP). A fisiopatologia do DM2 tem sido muito estudada em adultos, sendo aceita como condições necessárias à RI em conjunto com a disfunção da célula beta. Estudos da fisiopatologia em jovens são escassos e conflitantes. Semelhante ao que se passa com os adultos, a RI é um pré-requisito, mas a falência da célula beta é necessária para que haja progressão da tolerância normal à glicose para o pré-diabetes e DM2. Mesmo com o aumento da incidência de DM2 no jovem, a prevalência permanece baixa em comparação com o diabetes mellitus tipo 1 (DM1). Se uma criança com DM1 é obesa, a distinção clínica entre o DM2 e DM1 é dificultada, pois existem semelhanças clínicas e evidências da presença de autoimunidade contra a célula beta em uma significativa proporção de jovens diagnosticados com DM2. Esta condição normalmente representa uma criança obesa com autoimunidade para DM1 com o diagnóstico equivocado de DM2. Novas pesquisas são necessárias para caracterizar os diferentes mecanismos fisiopatológicos, imunológicos e metabólicos entre estes dois grupos, na esperança de que sejam alcançados regimes terapêuticos apropriados. Esses desafios e o quadro em mutação do diabetes na criança e no adolescente nos fornecem oportunidades infindáveis para a aquisição de novos conhecimentos no campo da diabetologia.

ASSUNTO(S)

síndrome do ovário policístico obesidade fisiopatologia diabética

Documentos Relacionados

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo

Como fazer TCC? Nas últimas semanas tenho visto milhares de alunos com dificuldades, sem saber o que fazer, que simplesmente ficam parados na frente do computador e não conseguem escrever uma única palavra sequer. Neste texto, nós vamos ver como mudar essa situação de uma vez por todas! Alguns alunos me mandam e-mails perguntando Como Fazer TCC passo a passo. Bom, em primeiro lugar, essa é uma dificuldade muito comum, vivida por 99,9% dos alunos de faculdades no Brasil e no mundo! Os outros 0,01% Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo