Fatores associados às alterações de linguagem oral em escolares de 6 a 10 anos de idade em Belo Horizonte

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

12/04/2011

RESUMO

Objetivo: Identificar e analisar os fatores associados às alterações de linguagem oral, em crianças de seis a dez anos de idade, de escolas públicas da área de abrangência de um Centro de Saúde em Belo Horizonte, MG. Metodologia: Estudo tipo caso-controle. As crianças definidas como casos e como controles foram identificadas em pesquisa de prevalência realizada previamente nessa mesma população. Os pais das crianças de ambos os grupos foram entrevistados utilizando um questionário estruturado e o Questionário de Capacidades e Habilidades (SDQ). O questionário estruturado continha questões sobre: características sociodemográficas; condições de gestação, parto e período neonatal; aspectos da alimentação e hábitos de sucção da criança; aspectos do desenvolvimento da linguagem oral; características da família/dinâmica familiar; aspectos emocionais e da vida escolar da criança. A análise de dados foi realizada em duas etapas. Na análise bivariada, foi utilizado o teste de qui-quadrado para estimar a significância estatística das diferenças entre os grupos de casos e de controles quando as variáveis eram categóricas e o teste de Kruskal-Wallis quando as variáveis eram contínuas (comparação de medianas). O modelo inicial da análise multivariada foi composto pelas variáveis explicativas que apresentaram p0,25 na análise bivariada, considerando como variável resposta a presença de alterações de linguagem oral. A análise multivariada foi feita por regressão logística, sendo as variáveis retiradas uma a uma de acordo com o maior valor de p em cada modelo, até que todas as variáveis tivessem p<0,05 (modelo final). A análise de dados foi realizada utilizando-se os programas Epi Info, Versão 6.04b e o SPSS 18, PASW Statistics 18. Resultados: A amostra foi composta por 155 crianças, sendo 59 casos e 96 controles. Os grupos eram semelhantes quanto à distribuição por sexo e idade, com idades entre 7,1 a 10,8 anos nos casos (média de 8,8; mediana de 8,7) e 6,7 a 10,8 anos nos controles (média de 8,7; mediana de 8,6). Os seguintes fatores mostraram-se independentemente associados à presença de alterações de linguagem oral: idade em que a criança falou a primeira palavra (OR=1,19, IC 95% 1,05 a 1,35); dificuldade para ouvir segundo a percepção dos pais (OR=4,22, IC 95% 1,19 a 15,01); dificuldade para falar segundo a percepção dos pais (OR=14,38, IC 95% 4,82 a 42,82); convívio com alguém com problema de fala (OR=3,44, IC 95% 1,14 a 10,33); dificuldade para acompanhar os demais colegas de classe nas atividades escolares (OR=2,86, IC 95% 1,12 a 4,87); participação em projetos escolares em contraturno (OR=2,33, IC 95% 1,12 a 4,87); e SDQ alterado, sugerindo provável distúrbio emocional (OR=3,15, IC 95% 1,34 a 7,40). Conclusão: O estudo mostrou que existe associação com significância estatística entre as alterações de linguagem oral e diversos fatores. As associações estão relacionadas principalmente aos aspectos emocionais, educacionais e ao desenvolvimento da linguagem oral. Esses resultados confirmam a importância de se considerar o desenvolvimento integral da criança. Além disso, ações de saúde coletiva, visando o adequado desenvolvimento da linguagem oral, devem também considerar fatores emocionais e educacionais. Com o objetivo de minimizar ou mesmo prevenir as alterações de linguagem oral alguns desses fatores associados podem ser controlados. São necessários novos estudos abordando os desvios fonéticos e fonológicos de maneira individualizada para melhor compreensão dos fatores associados a essas alterações. Espera-se que este estudo possa favorecer o planejamento de ações coletivas educativas e assistenciais mais eficazes.

ASSUNTO(S)

pediatria. linguagem linguagem infantil decs transtornos da linguagem decs criança decs instituições acadêmicas decs comunicação decs desenvolvimento da linguagem decs testes de linguagem decs distúrbios da fala decs ensino fundamental e médio decs educação infantil decs dissertação da faculdade de medicina da ufmg.

Documentos Relacionados

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo