Estudos fisico-quimicos e biologicos da violaceina

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2000

RESUMO

Neste trabalho foram estudadas propriedades fisico-químicas e biológicas de um pigmento bacteriano. O composto, denominado violaceína, possui massa molar de 343,34 g mol e é produzido pela bactéria Chromobacterium violaceum. Fermentações realizadas com a C. violaceum mostraram que a produção de violaceína é maior na presença de uma concentração mais elevada de O2. A adição de catalase, no início da fase exponencial de crescimento, induz a uma queda na produção do pigmento. Estes resultados indicam que a violaceína poderia ser uma molécula produzida pela célula com a "finalidade" de protegê-la do estresse oxidativo (i e., o pigmento seria um antioxidante). Experimentos de RPE (ressonância paramagnética eletrônica) do pigmento puro no estado sólido mostraram que o primeiro estado excitado triplete encontra-se 0,71 kcal mol acima do estado fundamental singlete. Este valor muito baixo -para o dirradical no estado excitado - indica que o pigmento possui uma forma radicalar estável. Desta forma, este resultado corrobora a hipótese da violaceína ser um antioxidante. Por último, foram realizados estudos de absorção e emissão eletrônica da violaceína. Em solução, ela apresenta duas bandas de fluorescência. A fluorescência normal foi atribuída à transição S1S0 e, a anômala, a um exciplexo formado entre a violaceína e o solvente.

ASSUNTO(S)

chromobacterium violaceum antioxidantes ressonancia paramagnetica eletronica

Documentos Relacionados