Determinação de metais ligados às proteínas de aveia, linhaça, trigo e soja empregando diferentes procedimentos de extração proteica

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

17/08/2012

RESUMO

O objetivo principal deste trabalho foi determinar metais (Cu, Fe, Mn e Zn) ligados à estrutura das proteínas das amostras de aveia, linhaça, trigo e soja, empregando diferentes procedimentos de extração da fração proteica. Para tanto, as amostras estudadas foram submetidas a três procedimentos de extração (1, 2 e 3) utilizando diferentes soluções extratoras. Inicialmente, foi feita a quantificação dos elementos Cu, Fe, Mn e Zn por FAAS ou GF AAS em cada fração proteica e posterior dosagem de proteínas totais pelo método Bradford. Foi possível verificar a presença dos elementos Cu, Fe, Mn e Zn nas frações proteicas da aveia, linhaça, trigo e soja obtidas após aplicação dos procedimentos de extração. O procedimento de extração 1 baseia-se na extração preferencial das proteínas do grupo da albumina, globulina, prolamina e glutelina, utilizando como extratores: Água, NaCl, Etanol e NaOH, respectivamente. Os resultados mostraram que, de modo geral, os elementos Cu, Fe, Mn e Zn estão associados às proteínas do grupo globulina para as matrizes avaliadas. Elevada concentração de proteínas totais foi determinada nas frações extraídas com NaOH. O procedimento de extração 2 utiliza como soluções extratoras: NaOH, HCl, tampão Tris-HCl, tampão Tris-HCl contendo SDS 1% e água. Este procedimento extrai grupos proteicos que diferenciam entre si, basicamente, pela sua solubilidade em água e peso molecular. Desta forma, foi realizada a associação de Cu, Fe, Mn e Zn às diferentes frações proteicas das amostras de aveia, linhaça, trigo e soja, sendo possível concluir que, de modo geral, a fração com maior concentração do metal apresentava elevado teor de proteínas totais. O procedimento de extração 3 fundamenta-se na extração preferencial de proteínas solúveis em água, utilizando solução tampão Tris-HCl para esta finalidade. Os resultados indicaram que o elemento Mn pode estar associado às proteínas solúveis extraídas das amostras de aveia e trigo. Para as amostras de linhaça e soja, verificou-se que as proteínas extraídas podem estar ligadas, preferencialmente, aos elementos Zn e Fe, respectivamente. De acordo com os resultados apresentados, a amostra de soja apresenta maior teor de proteínas totais, comparando-a as demais amostras estudadas. Neste trabalho também foi realizado um estudo comparativo entre os métodos de quantificação de proteínas totais: Bradford e ácido bicinconínico (BCA). Os resultados indicaram, de modo geral, maiores concentrações de proteínas totais nas determinações realizadas pelo o método BCA. Este método foi o mais indicado para as quantificações de proteínas totais nas frações das amostras de trigo e soja, baseado nos resultados de sensibilidade e linearidade da curva analítica. Finalmente, foi realizado o estudo dos metais ligados às proteínas das amostras de aveia, linhaça, trigo e soja. Para tanto, as amostras foram submetidas aos procedimentos de extração 2 e 3 foram submetidas à separação eletroforética (gel) e cromatográfica para separação proteica. As bandas (eletroforese em gel) e frações (HPLC) proteicas foram devidamente tratadas, os metais determinados por GF AAS e as proteínas identificadas por MALDI-TOF-MS/MS. Diversas proteínas presentes nas amostras de aveia, linhaça, trigo e soja foram identificadas e associadas aos metais Cu, Fe, Mn e Zn, cuja presença é imprescindível para a função das proteínas em organismos de origem vegetal e animal. Neste trabalho, as técnicas de separação eletroforética (1D SDS-PAGE) e cromatográfica (HPLC-UV) foram empregadas de forma complementar em estudos metaloproteômicos, tornando possível a identificação de proteínas ligadas à Cu, Fe, Mn e Zn.

ASSUNTO(S)

química analítica teses.   proteínas  teses.   metais  teses.   sementes teses 

Documentos Relacionados

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo