Desenvolvimento de métodos para quantificação de drogas em matrizes de interesse forense

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

27/02/2012

RESUMO

 O uso abusivo de drogas tornou-se um problema de abrangência mundial que traz graves conseqüências para os usuários e para a sociedade. Drogas ilícitas como cocaína, maconha, etc. e lícitas como medicamentos de uso controlado estão relacionadas com mortes envolvendo overdoses, intoxicações, acidentes automobilísticos, homicídios e suicídios. Neste contexto, o desenvolvimento de métodos analíticos sensíveis e de baixo custo é de suma importância na avaliação destes casos. No presente trabalho foram desenvolvidos métodos analíticos empregando a extração sólido-líquido com partição em baixa temperatura (ESL-PBT) e/ou extração líquido-líquido com partição em baixa temperatura (ELL-PBT) e análises por técnicas cromatográficas acopladas à espectrometria de massas. A técnica de ELL-PBT faz uso de um solvente hidrofílico (acetonitrila) que é separado da fase aquosa por abaixamento da temperatura (-20 ºC). Por este método é possível a obtenção de extratos limpos, mesmo em matrizes complexas, sem a necessidade de etapa posterior de purificação. O presente trabalho consta de três partes. Na primeira parte o procedimento de ELL-PBT foi aplicado para a determinação de cinco benzodiazepínicos em amostras de urina por cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massas. O método foi otimizado obtendo-se recuperações que variaram entre 61,3 e 100,4 %. Os ensaios de validação apresentaram baixos limites de detecção (1 a 5 µg L-1), boa precisão com coeficiente de variação (CV) inferior a 12,5 % e exatidão entre 72,9 a 116,6%. O método foi aplicado a duas amostras reais de usuários de diazepam, sendo possível a determinação não apenas deste princípio ativo, como também do seu metabólito, o oxazepam. Na segunda parte, o procedimento de ELL-PBT e ESL-PBT foi otimizado para determinação de cocaína em matrizes biológicas, tais como fígado, urina e sangue por cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas. Os métodos foram validados apresentando baixos limites de detecção e quantificação, e precisão inferior a 13,4 %. Os ensaios de adição e recuperação avaliados na exatidão do método variaram de 69,2 a 81,9 % na matriz de sangue; 92,6 a 95,7 % em urina e de 95,1 a 100,4 % no fígado. Os métodos validados foram aplicados com sucesso à amostras de matrizes biológicas de periciados post-mortem. Tais amostras consistiram de 8 amostras de fígado, 5 amostras de urina e 5 amostras de sangue obtidas em parceria com o Instituto Médico Legal de Minas Gerais. Na última parte, uma avaliação dos constituintes orgânicos e inorgânicos foi feita em amostras de "cocaína de rua" apreendidas nos estados de Minas Gerais e Amazonas. Compostos orgânicos tais como cocaína, cafeína, lidocaína e benzocaína foram quantificados por cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas. Constituintes inorgânicos como Ca, Mg, Na, K, P, Al, Fe, Mn, Co, Cu, Cr, Mo, Ni, Pb e Zn foram determinados por espectrometria de emissão óptica com plasma acoplado indutivamente (ICP-OES) enquanto os ânions nitrato, cloreto, nitrito, brometo, fluoreto e sulfato foram determinados por cromatografia iônica. A pureza da cocaína nas amostras apreendidas em Minas Gerais variou de 6,4 a 75,3%. Essas amostras apresentaram um grau de adulteração maior do que amostras apreendidas no estado do Amazonas. A cafeína foi o adulterante mais comum das amostras apreendidas em Minas Gerais, sendo encontrado em 76% das mesmas, seguido pela lidocaína (66,7%). Correlações de Pearson foram obtidas com o objetivo de relacionar os constituintes orgânicos e inorgânicos com os processos de adulteração e diluição das amostras de cocaína de rua

ASSUNTO(S)

química teses.   química analítica teses.   cocaina teses.   cromatografia líquida de alta eficiência teses.   drogas  abuso  teses.   toxicologia forense teses.   espectrometria de massa teses.  

Documentos Relacionados

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

TCC Pronto e Gratuito? Sério mesmo? Você acredita em almoço de graça? Comprar um TCC Pronto? Fazer o Próprio TCC? Você ainda tem dúvidas como essas? Você PRECISA ver este Artigo com Urgência! Neste artigo você encontrará: TCC Pronto e Gratuito Comprar TCC Pronto É só me corrigir se eu estiver errado, mas as pessoas Adoram Atalhos, certo? O problema é que, muitas vezes, ATALHOS São ARMADILHAS DISFARÇADAS. Então, se você quer Fugir das Armadilhas e quer saber a Verdade sobre TCC Pronto, TCC Pronto e Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo