Correlação entre diferentes métodos de avaliação da composição corporal e indicadores antropométricos em escolares

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

05/02/2010

RESUMO

O presente estudo objetivou caracterizar o estado nutricional e correlacionar diferentes métodos de avaliação da composição corporal e indicadores antropométricos em uma amostra de escolares, tendo como método de referencia a bioimpedância tetrapolar. Realizou-se estudo de delineamento transversal, com uma amostra de conveniência composta por 89 escolares de 7 a 11 anos pertencentes à zona urbana de Ouro Preto- Minas Gerais. A coleta de dados se deu mediante a avaliação de parâmetros antropométricos e de composição corporal, cujas medidas foram feitas por avaliadores previamente treinados. Um único avaliador mensurou as medidas de peso (kgf), % GC por Tanita (bioimpedância bipedal), altura (cm), o segundo examinador foi responsável pelas medidas de pregas cutâneas e circunferência do quadril e cintura. O terceiro examinador foi responsável pela coleta de dados pela bioimpedância elétrica tetrapolar. Após as medidas de peso e altura, todas as crianças foram classificadas de acordo com os valores de percentil do IMC, sendo agrupados por sexo e idade. Foi obtido o percentual de gordura corporal (%GC) por bioimpedância tetrapolar, Tanita (bioimpedância bipedal) e pregas cutâneas. Foram avalidados os indicadores antropométricos: índice de massa corporal (IMC), índice de conicidade (IC), relação cintura/estatura (RCE) e relação cintura/quadril (RCQ). Os resultados descritivos foram obtidos utilizando freqüências e porcentagens, além disso, utilizou-se teste de Kolmogorov-Smirnov, Mann-Whitney, t de Student, Ryan-Joiner e coeficientes de correlação de Person e Spearmam. Na analise multivariada utilizou-se dois métodos de seleção automática Best Subsets e Stepwise Backward`. No presente estudo houve um equilíbrio em relação à quantidade de crianças do sexo masculino (n=44) e feminino (n=45). Das 89 crianças avaliadas 15,7% (eutróficas), 54% (sobrepesas) e 30,3% (obesas). A média de idade do grupo estudado foi de 8,5 anos para sexo feminino e 8,7 anos para o masculino. Houve diferenças estatisticamente significantes entre os sexos para as variáveis: %GC bioimpedância tetrapolar, %GC por Tanita (bioimpedância bipedal), %GC por pregas cutâneas, RCQ. Ao nível 6% a RCE foi estatisticamente significativa. No presente estudo parece que maiores médias IC, RCE foram para crianças do sexo feminino e não observou-se uma diminuição IC com o avançar da idade. Os coeficientes de correlação entre o %GC por bioimpedância tetrapolar, %GC por Tanita, %GC por pregas cutâneas foram (r=0, 694 e r=0, 588). Não houve correlação estatisticamente significativa entre o %GC por bioimpedância tetrapolar, idade e RCQ e fracas correlações foram encontradas entre %GC por bioimpedância tetrapolar e o peso (r= 0, 297; p 0,05). No que se refere às correlações entre %GC por bioimpedância tetrapolar, RCE, IC, IMC no presente estudo foram encontradas moderadas correlações (r= 0,715, r= 0,673, r= 0,529). Conclui-se neste estudo que as maiores correlações encontradas com o %GC por bioimpedância tetrapolar foram com as variáveis: RCE, %GC por Tanita (bioimpedância bipedal), IC, %GC pregas cutâneas e IMC, com valores de correlação (r= 0, 715, r= 0, 694, r= 0, 673, r= 0, 588, r= 0, 529) respectivamente

ASSUNTO(S)

crianças. pediatria teses. avaliação nutricional decs antropometria decs população urbana decs criança decs Índice de massa corporal decs estudos transversais decs pediatria teses. obesidade decs composição corporal decs saúde escolar decs

Documentos Relacionados

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

Como fazer um TCC passo a passo – plágio e softwares de TCC? O que isso tem a ver com seu TCC? TUDO! Ou você não se importa em ouvir do seu orientador: “Seu trabalho tem plágio! Zero!” É… eu sei que você se importa. O problema é que muitos alunos morrem de medo do plágio, mas não sabem exatamente quando ele acontece. Definir o plágio é muito simples. Plágio é Roubar a Ideia do Outro. Simples assim. Quando você usa uma ideia, texto ou Ler artigo