Avaliação do estado nutricional e prevalencia de anemia de crianças de creches da regional leste de Belo Horizonte, MG

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2006

RESUMO

O presente trabalho determinou a prevalência de anemia e o estado nutricional e avaliou os fatores de risco para o déficit nutricional em crianças atendidas em período integral em creches. Foram avaliadas 402 crianças de 7 a 74 meses, atendidas em 25 creches da região leste de Belo Horizonte, sendo vinte três conveniadas e duas administradas pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. A dosagem de hemoglobina foi obtida por sangue capilar colhido em microcuvetas descartáveis e verificado em hemoglobinômetro portátil, marca HemoCue, expresso em gramas por decilitro. Foram consideradas como anêmicas as crianças com hemoglobina <11,0 g/dL para a faixa etária entre 6 e 59 meses, e aquelas com idade >60 meses, valores <11,5 g/dL. Para definição da magnitude da anemia, utilizou-se as seguintes categorias: anemia grave (Hemoglobina <7,0 g/dL); anemia moderada (hemoglobina entre 7,0 e 9,0 g/dL) e anemia leve ( hemoglobina >que 9,0 g/dL e <11,0 g/dL). Medidas de peso e estatura foram coletados e expressos em escore-Z, utilizando os índices antropométricos peso/idade, estatura/idade e peso/estatura, categorizados em três intervalos: menor do que - 2 (desnutrição), de - 2 a valores inferiores a - 1 (risco nutricional) e maior ou igual a - 1. Para análise dos fatores de risco para o déficit nutricional, considerou-se valores de escore-Z inferiores a -1. Foram realizadas entrevistas por meio de questionários, com os pais ou responsáveis pelas crianças, para obtenção de dados socioeconômicos e informações sobre as crianças. O tempo de creche foi calculado pela diferença entre a data da avaliação e a data de ingresso da criança na creche. Para determinação da prevalência de anemia e do estado nutricional foram avaliadas 402 crianças, com média de idade de 45,4±16,2 meses. A prevalência de anemia global foi de 28,8%, sendo 80,0% na faixa etária <12 meses, 70,3% entre 12 a 24 meses, 32,0% entre 24 e 36 meses, 21,8% entre 36 e 48 meses, 21,3% entre 48 e 60 meses e 22,2% nas crianças entre 60 e 74 meses. As médias de hemoglobina aumentaram com o aumento da idade, sendo que, entre as crianças menores de 24 meses, os valores foram abaixo do ponto de corte para anemia. A prevalência de desnutrição (<-2 escore-Z) foi 5% e 5,5% para os índices peso/estatura e peso/idade, respectivamente. A prevalência de baixa estatura foi de 4,2%. A anemia associou-se com a idade e o déficit de estatura (p<0,05). Uma subamostra de 312 crianças menores de 60 meses foi considerada para determinação dos fatores de risco para déficit nutricional, sendo 51,9% do sexo masculino, a maior parte das crianças tinha mais de 48 meses (56,4%), 30,1% tinha entre 24 e 48 meses e 13,5% com idade 24 meses. A prevalência de desnutrição, segundo o índice peso/idade e peso/estatura, foi de 5,1% e 4,5%, respectivamente. A baixa estatura para a idade foi encontrada em 3,8% das crianças. Em relação ao risco nutricional encontrou-se maior freqüência para altura/estatura (18,3%), seguida do peso/idade (16,3%) e peso/estatura (12,2%). As variáveis que se relacionaram significantemente com o déficit nutricional foram: o baixo peso ao nascer, a baixa escolaridade paterna ( 1° grau completo) e a baixa renda per capita (<135,5 reais). Nas crianças atendidas em creches da regional leste de Belo Horizonte a anemia carencial foi considerada moderado problema de saúde pública, sendo de maior magnitude em crianças menores de 24 meses. Em relação ao estado nutricional das crianças, os déficits nutricionais encontrados são acima do esperado considerando os valores de referência recomendados. Embora a forma aguda da desnutrição predominou, deve-se destacar também o elevado índice de risco da forma crônica (estatura/idade).

ASSUNTO(S)

creches decs transtornos da nutrição do lactente/epidemiologia decs pai decs doença aguda decs dissertação da faculdade de medicina ufmg dissertações acadêmicas decs transtornos da nutrição infantil/epidemiologia decs fatores de risco decs criança decs anemia ferropriva/epidemiologia decs pré-escolar decs fatores socioeconômicos decs lactente decs pediatria teses. anemia ferropriva/complicações decs escolaridade decs estudos transversais decs estado nutricional decs transtornos da nutrição infantil/complicações decs

Documentos Relacionados

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

TCC Pronto e Gratuito? Sério mesmo? Você acredita em almoço de graça? Comprar um TCC Pronto? Fazer o Próprio TCC? Você ainda tem dúvidas como essas? Você PRECISA ver este Artigo com Urgência! Neste artigo você encontrará: TCC Pronto e Gratuito Comprar TCC Pronto É só me corrigir se eu estiver errado, mas as pessoas Adoram Atalhos, certo? O problema é que, muitas vezes, ATALHOS São ARMADILHAS DISFARÇADAS. Então, se você quer Fugir das Armadilhas e quer saber a Verdade sobre TCC Pronto, TCC Pronto e Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo