Avaliação do consumo alimentar de lactentes com fenilcetonúria em uso de aleitamento materno

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2007

RESUMO

A utilização do aleitamento materno na fenilcetonúria (PKU) é realizada por meio de uma técnica conhecida e utilizada em alguna países. No entanto, ainda existem poucos estudos sobre ingestão alimentar de nutrientes em lactentes em uso de aleitamento materno. O objetivo deste estudo foi avaliar a ingestão de fenilalanina (phe), proteína, tirosina (tyr) e calorias de recém-nascidos e lactentes com PKU em uso de aleitamento materno. Trata-se de um estudo de coorte histórico e concorrente do qual participaram crianças com diagnóstico precoce de PKU, triadas pelo Programa de Triagem Neonatal de Minas Gerais. Um grupo de 39 crianças de 0 a 6 meses de idade em uso de aleitamento materno (leite materno associado à fórmula isenta em phe) foi comparado com um grupo controle composto por 39 crianças de 0 a 6 meses de idade que faziam uso de alimentação artificial (fórmula láctea com baixos teores de phe). Foram coletados dos prontuários médicos medidas referentes ao peso, estatura e perímetro cefálico das crianças dos 2 grupos no início e no final do estudo. Os recordatórios de 24 horas foram coletados dos protocolos de atendimento nutricional. Os grupos foram pareados por sexo e tempo de aleitamento por um período máximo de 6 meses. Considerou-se para o grupo controle, o mesmo tempo de aleitamento do grupo leite materno. A avaliação antropométrica foi realizada pelo software EPI INFO 6.0 e a análise estatística de ingestão de nutrientes foi feita pelo software LogXact 4.0. A média de consumo de nutrientes durante o período do estudo para o grupo leite materno e controle, respectivamente foi de 128,54±20,45 Kcal/Kg/dia e 164,6±66,70 Kcal/Kg/dia; 44,37±17,68 mg/Kg/dia e 46,72±15,60 mg/Kg/dia de phe; 3,09±0,40 g/Kg/dia e 2,85±0,43 g/Kg/dia de proteína e 180,34±28,50 mg/Kg/dia e 128,54±20,45 mg/Kg/dia de tyr. Houve diferença em relação à ingestão de proteína e calorias entre os dois grupos quando comparadas com as recomendações de Acosta e Yannicelli (2001). Os lactentes em uso de aleitamento materno apresentaram 5 vezes mais chances de ter recordatórios adequados de ingestão protéica e 10 vezes mais chance de apresentar recordatórios adequados de ingestão calórica quando comparados ao grupo controle. A evolução antropométrica demonstrou que a maioria das crianças, de ambos os grupos, apresentaram Zescores dentro dos limites de normalidade (Z >-2), com evolução favorável dos índices antropométricos (Peso/Idade, Estatura/Idade, Peso/Estatura e perímetro cefálico). O aleitamento materno em crianças com PKU proporcionou ingestão adequada de phe, proteína, tyr e calorias e quando comparado a crianças em uso de fórmula láctea comercial como fonte de phe, apresentou vantagens na ingestão de proteína e calorias. O crescimento foi semelhante nos dois grupos.

ASSUNTO(S)

696 fenilcetonúrias/diagnóstico decs 696 estudos de coortes decs 696 consumo de alimentos decs 650 #4pediatria teses. 650 #7dissertação da faculdade de medicina. ufmg 696 aleitamento materno decs 696 lactente decs 696 dissertações acadêmicas decs

Documentos Relacionados

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Um Artigo Científico Pronto em 5 Passos? Como? É exatamente isso que você vai ver aqui. Então, você tem que fazer um Artigo Científico? Esse é modelo do seu TCC? Pode abrir um leve sorriso, afinal, o Artigo Científico é o modelo que menos exige conteúdo de texto. Trocando em miúdos, é o menor dos trabalhos acadêmicos em termos de volume de texto. Assim como todos os demais Trabalhos Científicos e Acadêmicos, o Artigo Científico Pronto tem apenas 3 Elementos: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. E, antes Ler artigo

Para ter um TCC pronto, é preciso perder o medo. E se você está perdido ou se sentido incapaz, você precisa saber: A Culpa não é sua! Descubra Agora a Mentira que te venderam (por um tempo, eu também comprei…) Quem tem medo do TCC? Eu não sei você, mas, durante um bom tempo, eu tive muito! Eu me sentia perdido, sozinho e incapaz de fazer o meu trabalho. Eu tinha certeza de que nuca teria um TCC pronto. E se você acha que o Ler artigo