Avaliação de Sistemas de Pós-Tratamento de Lixiviados por Processos Biológicos e Oxidativos Avançados e o Desenvolvimento Analítico para Detecção e Quantificação de Compostos Recalcitrantes

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2010

RESUMO

Este trabalho avaliou a viabilidade dos processos biológicos aeróbios e oxidativos avançados (POAs) como pós-tratamento de lixiviados antigos provenientes de lagoas de estabilização em série. Paralelamente, desenvolveu-se uma metodologia analítica para detecção e quantificação de compostos aromáticos, organoclorados, ésteres ftalatos e hormônios, considerados como compostos recalcitrantes e raramente investigados em lixiviados tratados, principalmente nas ETEs localizadas no estado do Ceará. Inicialmente foi realizada uma caracterização físico-química e especiação de metais sendo verificado que DQO e amônia estavam acima dos limites permitidos pelas normas ambientais, bem como alguns metais. No desenvolvimento da metodologia analítica para detecção e quantificação por GC/FID verificou-se que a extração em fase sólida empregando C-18 foi a melhor técnica para extração e pré-concentração dos compostos recalcitrantes e que os melhores resultados de recuperação dos compostos foram obtidos para os compostos aromáticos e ésteres ftalatos. Nos experimentos de pós-tratamento empregando os reatores biológicos, reator aerado submerso (RAS) e reator em batelada seqüencial (RBS), todos foram eficientes na nitrificação do lixiviado com percentuais superiores a 90% de remoção da amônia, contudo, não foram eficazes na remoção de fósforo. Em termos de remoção dos compostos recalcitrantes, o RBS apresentou melhores resultados em relação ao RAS para os compostos aromáticos e ésteres ftalatos. No processo de oxidação avançada UV/H2O2 foi obtida remoções de DQO, turbidez e descoloração da amostra superior a 90%, a partir de 120 minutos de reação, em sistema de batelada com recirculação. O sistema UV/H2O2 foi eficiente na remoção dos compostos aromáticos e, eficaz para os ésteres ftalatos benzil-butilftalato (BBP) e dietil-hexilftalato (DEHP) com 100% de remoção. O processo foto-Fenton com radiação solar estudado com o lixiviado de Portugal apresentou-se como uma excelente opção no pós-tratamento do lixiviado em relação aos outros sistemas estudados (UV/H2O2 e TiO2/UV) devido a mineralização dos compostos orgânicos terem sido de aproximadamente 80% de remoção do carbono orgânico dissolvido (COD), redução da aromaticidade e descoloração, além de aumentar a biodegradabilidade do lixiviado. A concentração ótima de ferro para o lixiviado estudado foi de 60 mg L-1 Fe+2, com consumo de H2O2 de 310, 6 mM e aproximadamente 110 kJ L-1 de energia acumulada., mas não foi eficiente na remoção do éster dietil-hexil ftalato (DEHP), um dos principais ftalatos considerado como interferente endócrino. Os processos UV/H2O2 e TiO2/UV utilizando energia solar não foram favoráveis devido a reação ser mais lenta em comparação com o processo foto-Fenton e terem sido obtidos baixos valores de remoção de COD, indicando baixa mineralização dos compostos orgânicos presentes no lixiviado.

ASSUNTO(S)

processos químicos lixiviado, compostos recalcitrantes, pós-tratamento, processos biológicos, processos oxidativos avançados. tratamento biológico engenharia sanitaria leachate, recalcitrant compounds, post-treatment, biological processes, advanced oxidation processes. saneamento

Documentos Relacionados