Avaliação da contagem de linfócitos T, linfócitos B e células natural killer no estroma cervical de pacientes soropositivas e soronegativas para o HIV e com neoplasia intraepitelial cervical

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

16/12/2011

RESUMO

Avaliação da contagem de linfócitos T, linfócitos B e células natural killer (NK) no estroma cervical de pacientes soropositivas e soronegativas para o vírus da imunodeficiência humana (HIV), com neoplasia intraepitelial cervical (NIC). Objetivos: caracterizar a resposta imune local pela expressão dos linfócitos T (CD3+, CD4+, CD8+), linfócitos B (CD20+) e células NK (CD56+) no estroma cervical das pacientes soropositivas e soronegativas para o HIV, com NIC, comparando se existe diferença dessa resposta entre elas e entre os grupos de NIC. Pacientes e método: estudo transversal realizado a partir de peças de conização por cirurgia de alta frequência (CAF) de 85 pacientes, 47 soropositivas e 38 soronegativas para o HIV, em que havia 46 casos de NIC 2/3 e 39 de NIC 1. A avaliação das células imunomarcadas foi feita por técnica de imunohistoquímica no estroma cervical, logo abaixo da área de neoplasia intraepitelial. A leitura microscópica dos resultados da imuno-histoquímica foi realizada pelo observador mais experiente, de maneira subjetiva, cujos resultados foram agrupados em baixa e alta expressão das células imunológicas em questão. Na análise estatística foram usados teste qui-quadrado e teste exato de Fisher para comparação das variáveis categóricas. Foram pesquisadas possíveis interações entre as variáveis, de acordo com os resultados de odds ratio (OR) discordantes, e a análise multivariada foi realizada por regressão logística, mantendo-se somente as variáveis e interações significantes no modelo final (p<0,05). Para verificar a qualidade do ajuste das regressões logísticas, foi utilizado o teste de Hosmer-Lemeshow. Resultados: na análise univariada, comparando as pacientes quanto ao status HIV, foram encontradas diminuição significativa de linfócitos T CD8+ nas pacientes soronegativas (p=0,03) e acentuada redução de células NK CD56+ nas soropositivas (p=0,01). E quanto ao grau de lesão, não foi obtida diferença estatisticamente significativa na expressão dessas células entre os grupos de NIC 2/3 e NIC 1. A análise multivariada mostrou as variáveis CD8 (OR=0,34; IC95%=0,13-0,87) e CD56 (OR=4,48; IC95%=1,23-16,3) com associação independente para a infecção pelo HIV. E mostrou as variáveis CD3 x HIV (OR=4,79;IC95%=1,02-22,50) e CD20 x HIV (OR=0,12;IC95%=0,02-0,61) com associação independente para grau de lesão. Conclusões: de maneira global, a baixa expressão de todas as células imunológicas pesquisadas foi predominante tanto nas pacientes soropositivas e soronegativas para o HIV, quanto nas NIC 2/3 e NIC 1. A infecção pelo HIV parece ter influenciado diretamente a expressão das células NK, com importante diminuição nas pacientes soropositivas. E o padrão de expressão dos linfócitos T CD3 e T CD20 nas NIC 2/3

ASSUNTO(S)

neoplasia intra-epitelial cervical decs contagem de leucócitos decs síndrome de imunodeficiência adquirida decs células matadoras naturais decs hiv-2 decs imunoistoquímica decs linfócitos t decs linfócitos b decs dissertações acadêmicas decs dissertação da faculdade de medicina da ufmg. contagem de linfócitos decs

Documentos Relacionados

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Se o seu (des)orientador pediu para você fazer os Resultados e Discussão no TCC, mas não te explicou o que é isso e nem mostrou Como Fazer, este artigo é para você! Você quer Aprender Definitivamente O Que São e Como Fazer os Resultados e Discussão no seu TCC, não quer? Então, você tem que dar uma olhada no VÍDEO deste artigo. Aprenda de maneira Rápida e Definitiva Como Fazer os Resultados e Discussão no TCC, com exemplos Simples e Objetivos para trabalhos com Pesquisa de Campo Ler artigo

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Como fazer TCC? Nas últimas semanas tenho visto milhares de alunos com dificuldades, sem saber o que fazer, que simplesmente ficam parados na frente do computador e não conseguem escrever uma única palavra sequer. Neste texto, nós vamos ver como mudar essa situação de uma vez por todas! Alguns alunos me mandam e-mails perguntando Como Fazer TCC passo a passo. Bom, em primeiro lugar, essa é uma dificuldade muito comum, vivida por 99,9% dos alunos de faculdades no Brasil e no mundo! Os outros 0,01% Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo