Avaliação da confiabilidade de pilares curtos em concreto armado projetados segundo a NBR 6118:2003

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2006

RESUMO

Estudos realizados em diversos países demonstram a viabilidade econômica do uso do concreto de alta resistência (CAR) em pilares de pavimentos inferiores de construções altas, assim como nas de médio porte. Várias normas técnicas internacionais já se ajustaram a esta nova realidade. No caso brasileiro, a despeito da recente revisão da NBR 6118:2003, esta norma tem os concretos de classe C50 como limite de aplicação. Entretanto, a utilização de concretos de resistência superiores a este limite já vem sendo feita com sucesso em território nacional e a inexistência de documentos normativos que atendam a esta nova realidade representa um empecilho para a utilização segura e econômica deste material. Dada a sua crescente utilização, tipo de falha e importância para a integridade estrutural, a avaliação da segurança de pilares em concreto de alta resistência é assunto da maior relevância. No caso de pilares, vários parâmetros envolvidos no projeto estrutural são incertos (resistência à compressão do concreto, dimensões da seção transversal, cargas atuantes etc.). Desta maneira, a segurança estrutural pode ser definida apenas em termos probabilísticos. Visando a simplificação do processo de cálculo, as normas de projeto mantêm de forma implícita o nível de confiabilidade prescrito através dos fatores parciais utilizados no método dos estados limites. Desta maneira, os principais objetivos deste trabalho são: (i) avaliar os níveis de confiabilidade implícitos na NBR 6118:2003 e NBR 8681:2003 para projeto de pilares curtos em concreto armado sob flexo-compressão normal; (ii) identificar os níveis de confiabilidade alvo a serem atingidos; (iii) avaliar a influência dos diversos parâmetros de projeto nos níveis de confiabilidade obtidos; (iv) recomendar ajustes na NBR 6118:2003 visando o projeto de pilares curtos em concreto com resistência característica de até 80 MPa de forma a se obter uma maior uniformização dos níveis de confiabilidade. Os resultados obtidos indicam que, para fck igual a 50 MPa, os critérios da NBR 6118:2003 implicam em pilares com níveis de confiabilidade inferiores àqueles em concretos com fck de 20 a 35 MPa. Foi observado também que a mera extrapolação das recomendações da NBR 6118:2003 para concretos com fck de 65 e 80 MPa resulta em índices de confiabilidade baixos. Contudo, ajustes no bloco de tensões, mantendo todas as outras recomendações da NBR 6118:2003, resultam em níveis adequados de confiabilidade para todas as faixas de resistência analisadas.

ASSUNTO(S)

colunas de concreto teses. engenharia de estruturas teses. confiabilidade (engenharia) teses.

Documentos Relacionados

Como fazer um TCC passo a passo – plágio e softwares de TCC? O que isso tem a ver com seu TCC? TUDO! Ou você não se importa em ouvir do seu orientador: “Seu trabalho tem plágio! Zero!” É… eu sei que você se importa. O problema é que muitos alunos morrem de medo do plágio, mas não sabem exatamente quando ele acontece. Definir o plágio é muito simples. Plágio é Roubar a Ideia do Outro. Simples assim. Quando você usa uma ideia, texto ou Ler artigo

Se o seu (des)orientador pediu para você fazer os Resultados e Discussão no TCC, mas não te explicou o que é isso e nem mostrou Como Fazer, este artigo é para você! Você quer Aprender Definitivamente O Que São e Como Fazer os Resultados e Discussão no seu TCC, não quer? Então, você tem que dar uma olhada no VÍDEO deste artigo. Aprenda de maneira Rápida e Definitiva Como Fazer os Resultados e Discussão no TCC, com exemplos Simples e Objetivos para trabalhos com Pesquisa de Campo Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo