Análise dos valores de composição corporal em homens com diferentes níveis de lesão medular

AUTOR(ES)
FONTE

Fisioter. mov.

DATA DE PUBLICAÇÃO

30/11/2013

RESUMO

INTRODUÇÃO: A proporção entre massa corporal magra e de gordura é um preditor de doenças metabólicas. Assim, quantificar variáveis de composição corporal, iniciando uma análise de valores de referência de acordo com o nível da lesão medular (LM), tornou-se importante para o planejamento e monitoramento de atividades físicas. OBJETIVOS: 1) Determinar valores de referências de somatório de dobras cutâneas (ΣDC) e percentual de gordura em diferentes níveis de LM. 2) Detectar diferenças de composição corporal entre níveis de LM. 3) Correlacionar ΣDC com tempo de lesão e índice de massa corpórea (IMC). MATERIAIS E MÉTODOS: Setenta e quatro pacientes homens com LM, de 18 a 52 anos, foram divididos em tetraplegia (TT - C4 a C8), paraplegia alta (PPa - T1 a T6) e paraplegia baixa (PPb - T7 a L3). A composição corporal foi avaliada pelas dobras cutâneas. RESULTADOS: Não houve diferença significativa entre TT, PPa e PPb para as variáveis tempo de lesão, estatura, massa corporal total, ΣDC, percentual de gordura, massa corporal magra e IMC. Apenas a idade diferenciou entre os grupos TT e PPb (P < 0,05). A variável ΣDC não se correlacionou com o nível de lesão (rho = -0,08; IC95%: -0,537 a 0,420) ou com tempo de lesão (rho = 0,18; IC95%: -0,050 a 0,393). Não houve diferença significativa entre lesão completa e incompleta para todas as variáveis antropométricas. O ΣDC correlacionou-se positivamente com o IMC (rho = 0,68; IC95%: 0,539 a 0,739). CONSIDERAÇÕES FINAIS: TT, PPa e PPb não apresentaram diferenças significativas nos valores de composição corporal. O IMC apresentou boa correlação com ΣDC entre os grupos.INTRODUCTION: Políticas públicas de promoção de saúde contribuem para encorajar o envelhecimento ativo, com independência, e tem efeitos positivos na qualidade de vida da população idosa. OBJETIVO: Avaliar os efeitos de um programa de treinamento fisioterapia de baixa intensidade, realizado em grupo, sobre a qualidade de vida de mulheres da comunidade. MATERIAIS E MÉTODOS: Realizou-se estudo clinico randomi zado. Dezessete mulheres (67,8 ± 4,9 anos de idade) que completaram 12 semanas de treinamento, a dez mulheres (68,9 ± 5,7 anos de idade) que foram incluídas no grupo controle, responderam a versão abreviada do Questionário de Qualidade de Vida da Organização Mundial de Saúde - WHOQOL-bref. O Grupo Exercício realizou treinamento de flexibilidade, resistência e equilíbrio. Análises intragrupo e intergrupo foram feitas por meio dos testes não paramétricos Wilcoxon e Mann-Whitney U, respectivamente. Foi utilizado um nível de significância de 5%. Ainda, foi determinado o Índice de Mudança Confiável segundo o Método JT. RESULTADOS: O grupo treinamento apresentou uma melhora significativa para o domínio psicológico (p = 0,047) e o grupo controle apresentou uma piora significativa para o escore geral (p = 0,01) e os domínios físico (p = 0,01) e psicológico (p = 0,008). Para o grupo de exercícios, no domínio social, duas participantes apresentaram mudança positiva confiável (MPC) e no domínio ambiente, duas participantes. Para o escore geral e domínio físico, três participantes apresentaram MPC. Para o domínio psicológico quatro participantes apresentaram MPC e uma mudança negativa confiável. CONCLUSÃO: Um programa de fisioterapia em grupo pode contribuir para manter a qualidade de vida e melhorar especialmente aspectos psicológicos de mulheres idosas da comunidade.

ASSUNTO(S)

health sciences

Documentos Relacionados