Análise comparativa da cicatrização da pele com o uso intraperitoneal de extrato aquoso de Orbignya phalerata (babaçu). Estudo controlado em ratos

AUTOR(ES)
FONTE

Acta Cirurgica Brasileira

DATA DE PUBLICAÇÃO

2006

RESUMO

INTRODUÇÃO: A cicatrização das feridas é processo altamente complexo com várias fases. Inúmeras substâncias têm sido usadas desde os tempos remotos para estimulá-la. Entre elas, o extrato da Orbignya phalerata com possível ação estimulante da cicatrização. OBJETIVO: verificar a ação cicatrizante da Orbignya phalerata na cicatrização das feridas cirúrgicas da pele através de análise comparativa das alterações histológicas e morfológicas. MÉTODOS: Foram utilizados 60 ratos, da linhagem Wistar, adultos e machos. Para o experimento, eles foram distribuídos de forma aleatória em dois grupos de 30 cada e usada a substância Orbignya phalerata intraperitoneal na dose de 50 mg/Kg, no primeiro dia da operação em um dos grupos. O procedimento experimental constituiu-se em incisão cutânea circular de dois centímetros de diâmetro com punch metálico. No grupo controle não foi usada a substância. Os ratos foram mortos nos 7°, 14°, 21° dias do pós-operatório. Realizou-se a análise macroscópica com lupa e paquímetro, para avaliação da evolução do aspecto da lesão cicatricial e morfométrica da ferida feita por análise histológica; as lâminas foram coradas com Hematoxilina-Eosina (HE) e tricrômio de Masson e observaram-se a proliferação vascular, células mononucleares, células polimorfonucleares, proliferação fibroblástica, fibras colágenas e reepitelização. RESULTADOS: Mostraram na macroscopia dos animais do grupo experimento de sete dias que um apresentou pequena quantidade de secreção sem outras alterações dignas de nota; nos animais de 14 dias identificou-se todos com ferida de bom aspecto; nos de 21 dias, foi observada a presença de cicatrização completa em todos os animais. Quanto à análise histológica, houve diferença significativa entre os grupos nas variáveis monocelulares e fibras colágenas em todos os dias, e no 7º dia foi observada diferença significativa na proliferação fibroblástica e reepitelização. CONCLUSÃO: observou-se efeito favorável do extrato aquoso do mesocarpo do babaçu em nível microscópico do processo de cicatrização, nas variáveis mononucleares e fibras colágenas, em todos os dias e entre os grupos.

ASSUNTO(S)

cicatrização de feridas fitoterapia orbignya phalerata fisiologia da pele

Documentos Relacionados