Ãleos essenciais na alimentaÃÃo de reprodutores de TilÃpia-do Nilo (Oreochromis niloticus) / The essential oils in broodstocks diet of Nile Tilapia (Oreochromis niloticus)

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

DATA DE PUBLICAÇÃO

30/06/2011

RESUMO

Foram realizados 2 experimentos para avaliar o efeito da adiÃÃo de Ãleos essenciais (Ãregano, pimenta, canela e alecrim), na fase inicial de criaÃÃo e na reproduÃÃo de tilÃpia-do-Nilo (Oreochromis niloticus). Os experimentos foram realizados na Universidade Estadual doOeste do ParanÃ, durante o perÃodo de janeiro de 2010 a marÃo de 2011. O primeiro experimento foi a avaliaÃÃo dos alevinos (machos e fÃmeas nÃo revertidos) e o segundo experimento foi a avaliaÃÃo reprodutiva das fÃmeas. No experimento 1 foram utilizados 1.300 alevinos de peso mÃdio inicial (13,66Â0,16g), distribuÃdos em 20 tanques-rede tipo âhapasâ, de dimensÃes 3X2 metros. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado composto de cinco tratamentos e quatro repetiÃÃes. Os tratamentos consistiram na inclusÃo de cinco diferentes adiÃÃes do aditivo (0,00; 0,25; 0,50; 0,75 e 1,00ppt). Os peixes receberam raÃÃes peletizadas isoprotÃicas e isoenergÃticas contendo 30% de proteÃna digestÃvel (PD) e 3000 kcal de energia digestÃvel (ED).kg de raÃÃo-1. Os parÃmetros avaliados no experimento 1 foram: peso mÃdio inicial e final, comprimento padrÃo, ganho de peso mÃdio e diÃrio, taxa de crescimento especÃfico, conversÃo alimentar, fator de conversÃo e sobrevivÃncia. Estes nÃo foram influenciados pelos tratamentos (P>0,05). Dentre os Ãndices corporais avaliados, Ãndice hepatossomÃtico (IHS), Ãndice viscerossomÃtico (IVS) e Ãndice gonadossomÃtico (IGS), apenas o IHS foi alterado (P<0,05), apresentando aumento crescente em funÃÃo do aumento da inclusÃo do aditivo. Ao mesmo tempo, a Ãrea mÃdia dos hepatÃcitos nÃo foi influenciada (P>0,05). Os parÃmetros bromatolÃgicos, de proteÃna bruta (PB) das gÃnadas, extrato etÃreo (EE) das gÃnadas, matÃria seca (MS) da carcaÃa, PB da carcaÃa e PB do fÃgado nÃo foram influenciados (P>0,05). No experimento 2 foram utilizados 560 peixes de peso inicial 90,85Â2,53g. As fÃmeas foram estocadas em 20 âhapasâ de dimensÃes 3mX2m, na densidade 3,5 animais.metro-2, totalizando 21 fÃmeas por âhapasâ. Os machos utilizados na reproduÃÃo foram estocados em 20 âhapasâ de dimensÃes 2mX1m, na densidade de 3,5 animais.m-2, totalizando 7 machos por âhapasâ. As dietas foram peletizadas, isoprotÃicas (32% PD) e isoenergÃticas (3200 kcal kg -1 ED) contendo igual inclusÃo do aditivo e delineamento experimental da fase inicial. Durante o experimento 2, foram observados consumo de raÃÃo, fator de condiÃÃo, conversÃo alimentar aparente, ganho de biomassa, Ãndices somÃticos (IHS, IVS, IGS), peso mÃdio inicial e final, taxa de crescimento especÃfico e sobrevivÃncia, e estes, apenas o Ãndice gonadossomÃtico foi alterado (P<0,05). Os parÃmetros de desempenho reprodutivo e qualidade das proles avaliados foram diÃmetro mÃdio dos ovos (mm), fecundidade absoluta, fecundidade relativa, Ãndice de eficiÃncia relativa de ovos e larvas, peso dos ovos (mg), produÃÃo de larvas, taxa de eclosÃo (%), Ãndice de sobrevivÃncia ao jejum, volume dos ovos (ml) e produÃÃo relativa larval. Estes nÃo foram influenciados pelos tratamentos (P>0,05). Os parÃmetros sanguÃneos de cÃlcio (mg.dL-1) e glicose (mg.dL-1) de fÃmeas tilÃpia-do-Nilo do experimento 2 nÃo foram influenciados pelos tratamentos (P>0,05). A inclusÃo dos Ãleos essenciais na dieta de tilÃpia-do-Nilo nÃo promoveram alteraÃÃes no desempenho zootÃcnico na fase inicial de criaÃÃo (experimento 1). Entretanto, nÃveis de adiÃÃo acima de 0,50ppt promoveram aumento do peso do fÃgado das fÃmeas no experimento 1. No experimento 2 a inclusÃo de atà 1ppt nÃo proporcionou nenhum efeito adverso no desempenho zootÃcnico e reprodutivo, embora em inclusÃes de 0,25ppt promovem um melhor IGS

ASSUNTO(S)

fÃgado larvas nutriÃÃo reproduÃÃo additive eggs larvae nutrition reproduction piscicultura aditivo ovos liver

Documentos Relacionados

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Como fazer TCC? Nas últimas semanas tenho visto milhares de alunos com dificuldades, sem saber o que fazer, que simplesmente ficam parados na frente do computador e não conseguem escrever uma única palavra sequer. Neste texto, nós vamos ver como mudar essa situação de uma vez por todas! Alguns alunos me mandam e-mails perguntando Como Fazer TCC passo a passo. Bom, em primeiro lugar, essa é uma dificuldade muito comum, vivida por 99,9% dos alunos de faculdades no Brasil e no mundo! Os outros 0,01% Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo