STATE OWNED ICT SERVICES COMPANIES: AN ANALYTICAL MODEL TO ASSIST ITS STRATEGIC MANAGEMENT WITH PUBLIC ENTREPRENEURSHIP AND STRATEGIC ALLIANCES / EMPRESAS PÚBLICAS DE TIC: PROPOSTA DE UM MODELO ANALÍTICO PARA AUXILIAR A SUA GESTÃO COM EMPREENDEDORISMO PÚBLICO E ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT

DATA DE PUBLICAÇÃO

13/02/2012

RESUMO

A partir da década de 1960, foram criadas empresas públicas, ou autarquias, específicas para a função de processamento de dados, chamada atualmente de tecnologia da informação e comunicação (TIC) nos três níveis de governo no Brasil: federal, estadual e municipal. O objetivo teria sido dar mais agilidade administrativa a estas empresas em comparação aos órgãos da administração direta. Além de sua flexibilidade administrativa ter sido significativamente reduzida pela Constituição de 1988, atualmente estas empresas atuam em um ambiente mais competitivo. De fato, existem significativas barreiras à entrada, baseadas na legislação, para as empresas privadas de serviços de TIC, mas elas não são proibidas de prestar serviços diretamente para o governo. Neste contexto, as empresas públicas de serviços de TIC atuam em um cenário onde três desafios se destacam. Em primeiro lugar, a necessidade de realizar inovações é constante, não só pelas exigências dos negócios de seus clientes, como também pelas próprias mudanças trazidas pelas novas tecnologias. Em segundo lugar, cabe renovar e complementar as suas competências e, para este fim, as alianças estratégicas são um meio importante. Finalmente, enfrentam o desafio de buscar um alinhamento estratégico com seus clientes frente à pressão da concorrência das empresas privadas do setor e às dificuldades geradas pela inflexibilidade administrativa imposta pela legislação do Brasil. Seus dirigentes, portanto, devem compreender a complexidade desse ambiente e dispor de ferramentas gerenciais para estabelecer e administrar estratégias que aumentem a chance de sucesso de sua gestão. Desta forma, o objetivo desta pesquisa é propor um arcabouço analítico para auxiliar a análise estratégica das empresas públicas de TIC, considerando a necessidade de se ter uma abordagem relacional e um ambiente que propicie o empreendedorismo público. O arcabouço analítico proposto é uma variação do modelo SNA de Macedo-Soares (2002), com a inclusão de construtos e variáveis relativos às empresas públicas de TIC e ao empreendedorismo público. A estratégia da pesquisa foi baseada em um estudo de múltiplos casos realizado em quatro empresas: o IPLANRIO (do Município do Rio de Janeiro), o PRODERJ (do Estado do Rio de Janeiro), a PRODESP (do Estado de São Paulo) e o SERPRO (Federal). O protocolo utilizado incluiu um estudo documental, uma survey com gestores de diversos níveis organizacionais e entrevistas em profundidade com gestores estratégicos. Os resultados evidenciaram que a aplicação do arcabouço analítico proposto contribui para a identificação de adaptações nas estratégias das empresas pesquisadas, de forma a melhorar a sua adequação ao seu ambiente e às suas características organizacionais.

ASSUNTO(S)

aliancas estrategicas strategical alliances administracao management tecnologia da informacao information technology empreendedorismo enterprising

Documentos Relacionados