Psychopathic traits in adolescents and recognition of emotion in facial expressions

AUTOR(ES)
FONTE

Psicol. Reflex. Crit.

DATA DE PUBLICAÇÃO

2014-12

RESUMO

Estudos recentes têm investigado a capacidade de psicopatas adultos e crianças com traços de psicopatia identificarem determinadas emoções expressas pela face. Resultados conclusivos quanto ao fato dos traços de psicopatia mostrarem-se associados a deficiências na capacidade de identificar emoções negativas, a exemplo de medo e tristeza, ainda não foram alcançados. O presente estudo comparou 20 adolescentes com traços de psicopatia e 21 adolescentes sem traços de psicopatia no que se refere à capacidade de reconhecer emoções expressas pela face em tempos de exposição de 200 milissegundos, 500 milissegundos e 1 segundo. As análises indicaram diferenças estatísticas significativas entre os dois grupos somente para o reconhecimento de medo em um tempo de exposição de 200 milissegundos. Esses achados são consistentes com outros estudos nesse campo e sugerem que o controle do tempo de exposição dos estímulos afetivos em pesquisas futuras pode ajudar a elucidar mecanismos subjacentes relacionados à deficiência, na esfera afetiva, de reconhecimento das expressões faciais em indivíduos com traços de psicopatia.Recent studies have investigated the ability of adult psychopaths and children with psychopathy traits to identify specific facial expressions of emotion. Conclusive results have not yet been found regarding whether psychopathic traits are associated with a specific deficit in the ability of identifying negative emotions such as fear and sadness. This study compared 20 adolescents with psychopathic traits and 21 adolescents without these traits in terms of their ability to recognize facial expressions of emotion using facial stimuli presented during 200 milliseconds, 500 milliseconds, and 1 second expositions. Analyses indicated significant differences between the two groups' performances only for fear and when displayed for 200 ms. This finding is consistent with findings from other studies in the field and suggests that controlling the duration of exposure to affective stimuli in future studies may help to clarify the mechanisms underlying the facial affect recognition deficits of individuals with psychopathic traits.

ASSUNTO(S)

human sciences

Documentos Relacionados