Prescrição de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos: um estudo transversal em instituição psiquiátrica

AUTOR(ES)
FONTE

Jornal Brasileiro de Psiquiatria

RESUMO

RESUMO Objetivo Estimar a frequência de prescrição de medicamentos potencialmente inapropriados (MPIs) para idosos institucionalizados em um hospital psiquiátrico. Métodos Estudo descritivo, transversal, baseado em análise de prescrições médicas para indivíduos com 65 anos ou mais (n = 40), elaboradas no mês de janeiro de 2013 e coletadas de prontuários médicos, em uma instituição hospitalar pública especializada em saúde mental. Foram analisadas variáveis sociodemográficas e clínicas relativas ao idoso. Os medicamentos prescritos foram categorizados, pelos Critérios de Beers (CB), em: 1) MPIs que devem ser evitados em qualquer condição clínica; 2) MPIs nas condições clínicas identificadas no estudo; 3) medicamentos que devem ser utilizados com precaução em idosos. Resultados Houve predomínio do sexo feminino (62,5%, n = 25/40). Em relação à idade, a média foi de 73 anos (66-93 anos). O tempo médio de internamento foi de 15 anos, e o principal diagnóstico foi de esquizofrenia (56,4%; n = 22/39). A prevalência de polifarmácia foi de 70%. Os medicamentos mais prescritos foram prometazina e haloperidol. Em relação aos CB, observou-se que 40,2% (n = 90/224) dos medicamentos prescritos foram classificados como MPIs em qualquer condição clínica; 38,8% (n = 87/224) foram considerados como MPIs em determinadas condições clínicas e 23,7% (n = 53/224) pertenciam à categoria dos medicamentos que devem ser utilizados com cautela em idosos. Conclusão Obteve-se elevada prevalência de MPIs para idosos, quando comparada com estudos semelhantes. Os CBs contribuíram para a análise das prescrições, possibilitando a identificação de medicamentos que podem potencializar os riscos de desenvolvimento de iatrogenias ou agravamento de patologias preexistentes.

Documentos Relacionados