Preensão para escrita manual em universitários: diferentes tipos e sua relação com teste de destreza fina

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT

DATA DE PUBLICAÇÃO

26/11/2012

RESUMO

A escrita manual é imprescindível no cotidiano do trabalho, no meio acadêmico e na afirmação da identidade pessoal, embora possa parecer menos utilizada atualmente. Na prática clínica da Terapia Ocupacional, crianças, adolescentes e adultos são frequentemente encaminhados por apresentarem desequilíbrios posturais e alterações motoras compensatórias em diversas atividades, entre elas a escrita manual. Durante a execução dessa tarefa, observa-se a influência motora predominante da região proximal ou da distal do membro superior, dependendo do tipo de preensão que é utilizado na manutenção do lápis na mão e da performance da destreza manual fina. Esses aspectos definem a classificação das preensões em padrões: padrão de preensão imatura, preensões de transição e padrão de preensão madura. O presente estudo foi dividido em duas fases. Na fase I identificou-se, por meio de filmagens, os diferentes tipos de preensão para escrita manual e a prevalência de cada tipo em 806 jovens universitários, maiores de 18 anos, destros, de ambos os gêneros e sem comprometimento funcional em membros superiores. Para a fase II, foram selecionados 40 sujeitos aleatoriamente, entre os classificados na fase anterior como padrão de preensão madura e de transição, sendo 20 em cada grupo. Foi aplicado o Purdue Pegboard Test, e analisada a relação entre a destreza manual fina e esses padrões de preensão. Os dados foram analisados estatisticamente pelo método descritivo de prevalência (fase I) e pelo Test-T de Student para amostras independentes com nível de significância de 0,05 (fase II). Os resultados da fase I apontam uma maior prevalência de preensões maduras na população pesquisada, principalmente da trípode dinâmica, corroborando com a literatura. Não houve diferença significativa entre o desempenho de destreza manual e os dois padrões de preensão utilizados por adultos para escrita manual, sugerindo que a funcionalidade independe do padrão de preensão. No entanto, apesar de não haver diferença na funcionalidade, é sabido que o intenso uso da musculatura proximal de membros superiores pode gerar dor, desconforto e doenças que, em longo prazo, podem comprometer o desempenho e qualidade de vida das pessoas que o fazem. Alerta-se para a importância da intervenção de terapeutas ocupacionais em ambiente escolar a fim de estimular e orientar o uso mais adequado do MS. Com adultos a intervenção se faz necessária visando prevenir complicações ou tratar alterações no desempenho funcional entre os que procuram atendimento com queixas de dores e desconfortos no membro superior.

ASSUNTO(S)

estudantes destreza motora escrita manua avaliação desempenho psicomotor capacidade motora terapia ocupacional fisioterapia e terapia ocupacional occupational therapy handwriting motor skills students psychomotor performance evaluation

Documentos Relacionados