Intercorrência audiológica em músicas após um show de rock

AUTOR(ES)
FONTE

Revista CEFAC

DATA DE PUBLICAÇÃO

2007

RESUMO

OBJETIVO: verificar mudança temporária do limiar de audição de músicos, após exposição a níveis de pressão sonora elevados de um show de rock. MÉTODOS: foi utilizada uma amostra com seis músicos componentes da banda. Foram feitos: anamnese ocupacional, determinação dos níveis mínimos de audição e reflexos acústicos, antes e após o show de rock. A mensuração do ruído da sala do exame e do palco foi realizada por meio de um dosímetro. Os resultados foram comparados e analisados estatisticamente, utilizando-se o teste t Student, com critério para determinação de significância de p maior do que 0,05. RESULTADOS: para a dosimetria, foi encontrada a exposição ao ruído do show com valor de LAVG igual a 98,5 dB. Dentre os aspectos comportamentais relacionados ao ruído, o zumbido foi a queixa mais presente entre os integrantes. Na audiometria tonal, as maiores diferenças pré e pós-exposição, foram encontradas nas freqüências altas, sendo a orelha direita a que apresentou maiores mudanças temporárias de limiar. Os resultados foram significantes nas freqüências de 2000, 3000, 4000 e 6000 Hz, na orelha direita (p=2,7; p=2,59; p=3,7 e p=2,86) e, na freqüência de 4000 Hz, na orelha esquerda (p=2,87). Na medida do reflexo acústico após o show, a orelha direita obteve o maior índice de ausência de reflexo, com o índice de 40%; entretanto, foram encontradas diferenças estatisticamente significantes, na presença de reflexo acústico na comparação pré e pós-exposição, apenas na orelha esquerda (p=3,64). CONCLUSÃO: músicos expostos a níveis de pressão sonora intensos apresentaram alteração temporária do limiar e alteração do reflexo acústico.

ASSUNTO(S)

audiologia ruído ocupacional testes auditivos perda auditiva

Documentos Relacionados