Inhibition of renal glucose reabsorption as a novel treatment for diabetes patients

AUTOR(ES)
FONTE

J Bras Nefrol

DATA DE PUBLICAÇÃO

28/02/2014

RESUMO

A importância do rim na homeostase de glicose é reconhecida desde há muitos anos. Observações recentes, indicando um papel maior do metabolismo renal da glicose em várias condições fisiológicas e patológicas, reavivaram o interesse no manuseio renal de glicose como um alvo em potencial para o tratamento do diabetes. A enorme capacidade das células tubulares proximais para reabsorver a carga total de glicose filtrada, utilizando o sistema de co-transporte de sódio e glicose (SGLT), tornou-se o foco de atenção. Estudos originais realizados em animais experimentais com o uso do inibidor não-específico da SGLT florizina, demonstraram que a hiperglicemia após pancreatectomia diminuiu como resultado de glicosúria forçada. Posteriormente, foram desenvolvidas diversas substâncias com propriedades mais seletivas de inibição da SGLT-2 ("segunda geração"). Vários agentes foram usados em ensaios pré-clínicos e clínicos, e alguns já foram aprovados para uso comercial no tratamento da diabetes tipo 2. Em geral, os dados clinicos mostram que um período de 6 meses de tratamento com inibidores da SGLT-2 é seguido por uma taxa de excreção de glicose urinária média de ~ 80 g/dia, acompanhado por uma queda na glicemia de jejum e pós-prandial e com redução média na HbA1C de - 1.0%. Também foram relatados perda concomitante no peso corpóreo e uma leve mas consistente queda da pressão arterial. Em contraste, eventos adversos transitórios como poliúria, sede com desidratação e hipotensão ocasional foram descritos na fase inicial de tratamento. Além disso, um aumento significativo na ocorrência de infecções urogenitais, particularmente em mulheres, foi documentado com o uso de inibidores da SGLT-2. Os efeitos cardiovasculares, renais e ósseo/minerais a longo prazo destes agentes ainda são desconhecidos. Conclusão: Os inibidores da SGLT-2, se usados de forma criteriosa e em pacientes adequados, representam uma opção terapêutica única, que explora um novo mecanismo de ação anti-hiperglicêmico independente da insulina. Estão portanto indicados, tanto na monoterapia ou em combinação com outros agentes no tratamento de pacientes obesos com diabetes tipo 2. The importance of the kidney in glucose homeostasis has been recognized for many years. Recent observations indicating a greater role of renal glucose metabolism in various physiologic and pathologic conditions have rekindled the interest in renal glucose handling as a potential target for the treatment of diabetes. The enormous capacity of the proximal tubular cells to reabsorb the filtered glucose load entirely, utilizing the sodium-glucose co-transporter system (primarily SGLT-2), became the focus of attention. Original studies conducted in experimental animals with the nonspecific SGLT inhibitor phlorizin showed that hyperglycemia after pancreatectomy decreased as a result of forced glycosuria. Subsequently, several compounds with more selective SGLT-2 inhibition properties (“second-generation”) were developed. Some agents made it into pre-clinical and clinical trials and a few have already been approved for commercial use in the treatment of type 2 diabetes. In general, a 6-month period of therapy with SGLT-2 inhibitors is followed by a mean urinary glucose excretion rate of ~80 g/day accompanied by a decline in fasting and postprandial glucose with average decreases in HgA1C ~1.0%. Concomitant body weight loss and a mild but consistent drop in blood pressure also have been reported. In contrast, transient polyuria, thirst with dehydration and occasional hypotension have been described early in the treatment. In addition, a significant increase in the occurrence of uro-genital infections, particularly in women has been documented with the use of SGLT-2 inhibitors. Conclusion: Although long-term cardiovascular, renal and bone/mineral effects are unknown SGLT-2 inhibitors, if used with caution and in the proper patient provide a unique insulin-independent therapeutic option in the management of obese type 2 diabetes patients.

ASSUNTO(S)

health sciences

Documentos Relacionados