Impacto da técnica de expiração lenta e prolongada na mecânica respiratória de lactentes sibilantes

AUTOR(ES)
FONTE

J. bras. pneumol.

DATA DE PUBLICAÇÃO

31/01/2013

RESUMO

OBJETIVO: Avaliar as alterações da mecânica respiratória e do volume corrente (VC) em lactentes sibilantes em ventilação espontânea após a realização da técnica de expiração lenta e prolongada (ELPr). MÉTODOS: Foram incluídos no estudo lactentes com história de sibilância recorrente e sem exacerbações nos 15 dias anteriores. Para a avaliação da função pulmonar, os lactentes foram sedados e posicionados em decúbito dorsal com máscara facial acoplada a um pneumotacógrafo. As variáveis da respiração corrente - VC e FR - e da mecânica respiratória - complacência do sistema respiratório (Csr), resistência (Rsr) e constante de tempo (psr) - foram mensuradas antes e após a realização de três sequências consecutivas de ELPr. RESULTADOS: Foram avaliados 18 lactentes, com média de idade de 32 ± 11 semanas. Houve um aumento significante no VC após ELPr (79,3 ± 15,6 mL vs. 85,7 ± 17,2 mL; p = 0,009), assim como uma redução na FR (40,6 ± 6,9 ciclos/min vs. 38,8 ± 0,9 ciclos/min; p = 0,042). Entretanto, não houve alterações significantes nos valores da mecânica respiratória (Csr: 11,0 ± 3,1 mL/cmH2O vs. 11,3 ± 2,7 mL/cmH2O; Rsr: 29,9 ± 6,2 cmH2O • mL-1 • s-1 vs. 30,8 ± 7,1 cmH2O • mL-1 • s-1; e psr: 0,32 ± 0,11 s vs. 0,34 ± 0,12 s; p > 0,05 para todos). CONCLUSÕES: Essa técnica de fisioterapia respiratória é capaz de induzir alterações significativas no VC e na FR de lactentes com sibilância recorrente, mesmo na ausência de exacerbações. A manutenção das variáveis da mecânica respiratória indica que a técnica é segura para ser aplicada nesse grupo de pacientes. Estudos com lactentes sintomáticos são necessários para quantificar os efeitos funcionais da técnica.OBJECTIVE: To evaluate changes in respiratory mechanics and tidal volume (V T) in wheezing infants in spontaneous ventilation after performing the technique known as the prolonged, slow expiratory (PSE) maneuver. METHODS: We included infants with a history of recurrent wheezing and who had had no exacerbations in the previous 15 days. For the assessment of the pulmonary function, the infants were sedated and placed in the supine position, and a face mask was used and connected to a pneumotachograph. The variables of tidal breathing (V T and RR) as well as those of respiratory mechanics-respiratory system compliance (Crs), respiratory system resistance (Rrs), and the respiratory system time constant (prs)-were measured before and after three consecutive PSE maneuvers. RESULTS: We evaluated 18 infants. The mean age was 32 ± 11 weeks. After PSE, there was a significant increase in V T (79.3 ± 15.6 mL vs. 85.7 ± 17.2 mL; p = 0.009) and a significant decrease in RR (40.6 ± 6.9 breaths/min vs. 38.8 ± 0,9 breaths/min; p = 0.042). However, no significant differences were found in the variables of respiratory mechanics (Crs: 11.0 ± 3.1 mL/cmH2O vs. 11.3 ± 2.7 mL/cmH2O; Rrs: 29.9 ± 6.2 cmH2O • mL-1 • s-1 vs. 30.8 ± 7.1 cmH2O • mL-1 • s-1; and prs: 0.32 ± 0.11 s vs. 0.34 ±0.12 s; p > 0.05 for all). CONCLUSIONS: This respiratory therapy technique is able to induce significant changes in V T and RR in infants with recurrent wheezing, even in the absence of exacerbations. The fact that the variables related to respiratory mechanics remained unchanged indicates that the technique is safe to apply in this group of patients. Studies involving symptomatic infants are needed in order to quantify the functional effects of the technique.

ASSUNTO(S)

health sciences

Documentos Relacionados