Frequência fundamental, tempo máximo de fonação e queixas vocais em mulheres com obesidade mórbida

AUTOR(ES)
FONTE

ABCD, arq. bras. cir. dig.

DATA DE PUBLICAÇÃO

28/02/2014

RESUMO

Racional: Sujeitos obesos apresentam deposição anormal de gordura no trato vocal que podem interferir nos parâmetros acústicos da voz e consequente queixa vocal. Objetivo: Verificar a frequência fundamental, o tempo máximo de fonação e as queixas vocais de mulheres com obesidade mórbida. Métodos: Estudo observacional, transversal e descritivo. Participaram 44 mulheres com obesidade mórbida, idade média de 42,45 (±10,31) anos de idade como grupo estudo e 30 mulheres sem obesidade, grupo controle, com média de 33,79 (±4,51) anos de idade. A gravação da voz foi realizada em ambiente silencioso, em laptop utilizando o programa ANAGRAF de análise acústica dos sons da fala. Para extrair os valores de frequência fundamental foi solicitado a emissão da vogal /a/ em intensidade e altura habituais, por um período em média de três segundos. Após a gravação da voz, foi solicitado a produção sustentada das vogais [a], [i] e [u] em intensidade e altura habituais, utilizando-se de cronômetro para mensurar o tempo que cada participante podia sustentar cada vogal. Resultados: As mulheres com obesidade mórbida, na sua maioria 31(70,5%) apresentaram queixa vocal, com percentual maior para as queixas de cansaço ao falar 20(64,51%) e falhas na voz 19(61,29%) seguidos de ressecamento na garganta 15(48,38%) e esforço ao falar 13(41,93%). Não houve diferença estatísticamente significante da média da frequência fundamental da voz em ambos os grupos; no entanto houve diferença significante na média do tempo máximo de fonação entre os dois grupos. Conclusão: O aumento de tecido adiposo no trato vocal interferiu nos parâmetros vocais do grupo analisado. Background : Obese people have abnormal deposition of fat in the vocal tract that can interfere with the acoustic voice. Aim : To relate the fundamental frequency, the maximum phonation time and voice complaints from a group of morbidly obese women. Methods : Observational, cross-sectional and descriptive study that included 44 morbidly obese women, mean age of 42.45 (±10.31) years old, observational group and 30 women without obesity, control group, with 33.79 (±4.51)years old. The voice recording was done in a quiet environment, on a laptop using the program ANAGRAF acoustic analysis of speech sounds. To extract the values ​​of fundamental frequency the subjects were asked to produce vowel [a] at usual intensity for a period in average of three seconds. After the voice recording, participants were prompted to produce sustained vowel [ a] , [ i] and [ u] at usual intensity and height, using a stopwatch to measure the time that each participant could hold each vowel. Results : The majority, 31(70.5%), had vocal complaints, with a higher percentage for complaints of vocal fatigue 20(64.51%) and voice failures 19(61.29%) followed by dryness of the throat in 15 (48.38%) and effort to speak 13(41.93%). There was no statistically significant difference regarding the mean fundamental frequency of the voice in both groups, but there was significance between the two groups regarding maximum phonation. Conclusion : Increased adipose tissue in the vocal tract interfered in the vocal parameters.

ASSUNTO(S)

health sciences

Documentos Relacionados