Estudo hidrogeoquímico ambiental em região cárstica no município Sete Lagoas - Minas Gerais: investigação da contaminação de águas superficiais e subterrâneas por nitrato de atrazina, na área do Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo da EMBRAPA

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT

DATA DE PUBLICAÇÃO

15/04/2011

RESUMO

A tese de doutorado apresentada é resultado das atividades do projeto de pesquisa Estudo Hidrogeológico Ambiental, no Entorno da Área Experimental da EMBRAPA Milho e Sorgo em Sete Lagoas Minas Gerais: Investigação do Comportamento do Nitrato e da Atrazina, no Solo e na Água Subterrânea, com foco na hidrogeologia e hidrogeoquímica ambiental do campus experimental do Centro Nacional de Pesquisa de Milho e SorgoCNPMS, da Embrapa, em Sete Lagoas, Minas Gerais e do seu entorno. O projeto foi viabilizado através de dois convênios, sendo o primeiro firmado entre a Universidade Federal de Minas Gerais, por meio do Departamento de Engenharia Sanitária e AmbientalDESA e da Escola de Engenharia, e o Centro Nacional de Pesquisa de Milho e SorgoCNPMS, da Embrapa e a Companhia de Saneamento de Minas GeraisCOPASA. O segundo convênio de viabilização do projeto foi firmado entre a Universidade Federal de Minas Gerais, também por meio do Departamento de Engenharia Sanitária e AmbientalDESA, da Escola de Engenharia, e o Instituto de Gestão das Águas de Minas GeraisIGAM. A área do estudo está inserida nas microbacias dos ribeirões Matadouro e Jequitibá, afluentes perenes do rio das Velhas, onde predominam Latossolos Vermelhos e Vermelho-Amarelos, distróficos, sobre metapelitos da Formação Serra de Santa Helena e rochas carbonáticas da Formação Sete Lagoas, no domínio geológico do Grupo Bambuí. Na área do estudo, as águas superficiais foram monitoradas em 14 pontos cadastrados, de amostragem, distribuídos em córregos e lagoas e, as águas subterrâneas foram monitoradas, principalmente, em 16 pontos cadastrados, de amostragem, distribuído em cisternas, poços tubulares de produção e surgências. De maio de 2008 a abril de 2010, foram amostradas mensalmente as águas nesses 30 pontos e analisados, nos laboratórios da Divisão de Qualidade de ÁguasDVQA, da Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA-MG, para 44 parâmetros distribuídos entre constituintes principais, secundários e traços e parâmetros físico-químicos de qualidade da água. Foram verificados valores de pH, condutividade elétrica e sólidos totais dissolvidos, nos seguintes intervalos: pH de (6,6 a 8,2), condutividade elétrica de (42 a 315) S/cm e sólidos Programa de Pós-graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da UFMG totais dissolvidos de (18 a 344) mg/L, nas águas superficiais; e, pH de (5,0 a 8,2), condutividade elétrica de (12 a 389) S/cm e sólidos totais dissolvidos de (15 a 464) mg/L, nas águas subterrâneas. Nas águas superficiais e subterrâneas, monitoradas na área do estudo, as concentrações de cálcio e de bicarbonato se apresentaram dominantes. Foram verificadas concentrações de cálcio e de bicarbonato, nos seguintes intervalo: (3,0 a 80) mg/L de cálcio e (9,5 a 234) mg/L de bicarbonato, nas águas superficiais; e, (0,9 a 106) mg/L de cálcio e (8,0 a 309) mg/L de bicarbonato, nas águas subterrâneas. Em razão dos elevados teores, prevalentes, de cálcio e bicarbonato e dos pequenos teores dos demais constituintes principais, em geral, menores que 10% das concentrações dos constituintes principais, as águas superficiais e subterrâneas, na área do estudo, foram caracterizadas como de fácies hidroquímica cálcica-bicarbonatada. Localmente, foram verificadas diferenças nas concentrações dos constituintes principais, em função de variações da litologia, da localização do ponto de amostragem, ou de impactos das atividades agrícolas e pecuárias, desenvolvidas na área do estudo, em particular no entorno dos pontos de amostragem cadastrados. Com base em um modelamento hidrogeoquímico, foi possível estimar que as águas superficiais e subterrâneas, monitoradas na área do estudo, se encontram sob a influência de ambientes hidrogeológicos diferentes, a saber, o domínio dos Latossolos, o domínio pelitocarbonático, e o domínio cárstico-calcário. A constituição química das águas subterrâneas indicou a presença, no ambiente hidrogeológico, de: sílica; argilo minerais (moscovita, montmorilonita, caulinita, gibbsita e goethita); hematita; minerais carbonáticos (dolomita, calcita e aragonita); e, secundariamente, feldspatos potássicos. Foram verificadas concentrações de nitrato na faixa de (0,89 a 40,6) mg/L, nas águas superficiais, não considerando os corpos dágua lóticos poluídos com esgoto sanitário, e na faixa de (0,89 a 66) mg/L, nas águas subterrâneas, prevalecendo concentrações menores que 10 mg/L. Em geral, as concentrações de nitrato observadas nos sistemas aqüíferos locais não indicaram poluição em razão das atividades agrícolas e pecuárias desenvolvidas na área do estudo. Programa de Pós-graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da UFMG. Durante o período monitorado as concentrações de nitrato se apresentaram com valores menores que 22 mg/L, frequentemente. Concentrações de nitrato maiores que o valor máximo permitido, de 44 mg/L (10 mg/L de Nitrato-N) estabelecido pelas resoluções CONAMA 357 e 396, foram verificados nas águas monitoradas com freqüência menor que 1% e concentrações de nitrato no intervalo de (22 a 44) mg/L, foram verificadas com freqüência de 5,2%, não considerando os corpos dágua lóticos poluídos com esgoto sanitário. Apesar das águas superficiais e subterrâneas, na área do estudo, não se apresentarem poluídas por nitrato, conforme mostram os resultados do monitoramento, as concentrações verificadas indicaram a influência das atividades agrícolas e pecuárias na qualidade das águas, em particular na área de influência do córrego Marinheiro e da lagoa Subida da Estação. A atrazina foi detectada em amostras de água em treze pontos de monitoramento, em particular em pontos situados nas áreas de descarga de águas subterrâneas. O herbicida foi detectado com 3% de freqüência, e quantificado com freqüência menor que 1%, o que corresponde a dezoito amostras em um total de 633, durante os 24 meses de monitoramento. Em razão da insuficiência de dados, a verificação da presença do herbicida nas águas monitoradas, na área do estudo, foi inconclusiva. Assim, quanto ao impacto da atrazina nas águas locais, o presente trabalho resultou incompleto. Para verificar qualitativamente o estado das águas dos corpos dágua lóticos, afluentes do rio da Velhas, foram utilizados os indicadores IQA, Índice de Qualidade de Água, e CT, Índice de Contaminação por Substâncias Tóxicas, de acordo com a metodologia adotada pelo IGAM.

ASSUNTO(S)

meio ambiente teses. Águas subterrâneas poluição teses. engenharia sanitária teses.

Documentos Relacionados