Diferenças entre os gêneros na assistência técnica e extensão rural realizada por médicos veterinários: paradigma ou preconceito

AUTOR(ES)
FONTE

Rev. Ceres

DATA DE PUBLICAÇÃO

31/01/2014

RESUMO

A Medicina Veterinária é profissão relativamente antiga e, mesmo em tempos modernos, em determinados países ou regiões, a profisssional veterinária ainda encontra barreiras ao exercício pleno da profissão, tanto nas atividades de Assistência Técnica como nas de Extensão Rural. Este estudo objetivou verificar se existem diferenças entre os gêneros, no que se refere às atividades de Assistência Técnica e de Extensão Rural, realizadas por médicos veterinários no Estado de Goiás (Brasil) e, em caso de existência, analisar se os resultados podem ser considerados frutos de um paradigma ou de preconceito. O trabalho foi desenvolvido no Estado de Goiás, em 26 municípios, envolvendo 100 propriedades rurais, administradas por indivíduos de diferentes gêneros e perfis. Foram analisados questionários respondidos pelos proprietários, envolvendo cinco temas, compreendendo diferenças entre os gêneros, senso de organização profissional, relacionamento interpessoal, força física e conhecimento técnico. Na visão dos entrevistados, os homens foram considerados como detentores de maior aptidão para as atividades que exigem força física e, as mulheres, para o trabalho que requer maior senso de organização. Para as outras atividades, ambos os profissionais equipararam-se quanto ao seu desempenho, pois a maioria dos entrevistados alegou não ter preferência, em relação aos aspectos gênero, relacionamento interpessoal e conhecimento teórico. Concluiu-se que as diferenças entre os gêneros, nos desempemhos em Assistência Técnica e em Extensão Rural, realizadas por médicos veterinários no Estado de Goiás, foram identificadas quando os aspectos considerados são a força física e o senso de organização. Nos quesitos preferência pelo homem ou pela mulher, relacionamento interpessoal e conhecimento técnico, não houve distinções. Dessa forma, pode-se considerar a existência de um paradigma, não a de um preconceito.The Veterinary Medicine is a relatively old profession. In some countries or regions, even in modern times, veterinary women still find obstacles in the profession. This study aimed to evaluate if there are differences between genders in veterinary Technical Assistance as well as in Rural Extension and analyzes whether the results can be considered a paradigm or a prejudice. The research was developed in 100 farms in 26 municipalities in the state of Goias. The farms were administrated by different genders and profiles. A questionnaire was applied to farmers involving five topics: differences between genders, professional organization, interpersonal relationship, physical strength and technical knowledge. In the interviewees' opinion, men were considered to have more ability for tasks which require physical strength; and women were considered to have more ability than men when the task involves organization. Regarding the other topics (interpersonal relationship, technical knowledge and differences between genders) both professionals were equivalent, because the majority of the interviewees claimed not to have preference for gender. Therefore, it was concluded that the differences between genders in Technical Assistance and Rural Extension performed by veterinarians were identified when it comes to physical strength and organization. In topics preference between men or women, interpersonal relationship and technical knowledge, there was not distinction between the genders. Then, the differences between genders can be considered a paradigm and not a prejudice.

ASSUNTO(S)

agricultural sciences biological sciences

Documentos Relacionados