Demografia do consumo urbano: um estudo sobre a geração de resíduos sólidos domiciliares no município de Belo Horizonte

AUTOR(ES)
FONTE

Revista Brasileira de Estudos de População

DATA DE PUBLICAÇÃO

01/12/2012

RESUMO

Este trabalho explora relações entre fatores socioeconômicos e demográficos e a produção de resíduos sólidos domiciliares - o lixo doméstico -, para o município de Belo Horizonte em 2002. A proposta foi investigar se diferenciais socioeconômicos (especificamente renda e educação) e demográficos (especificamente estrutura etária e domiciliar) são importantes na definição do volume de resíduos gerado em sub-regiões do município. O consumo, nesse sentido, é visto como o elo entre as dimensões "população" e "geração de resíduos". A fonte de dados sobre a geração de resíduos sólidos é a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), responsável pela coleta e sistematização das informações em uma malha cartográfica digital. Tal representação espacial das informações permitiu concatená-las com os dados da malha digital das Áreas de Ponderação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes ao Censo Demográfico 2000. Métodos estatísticos multivariados foram empregados para investigar as associações entre variáveis populacionais e a produção de resíduos. O trabalho se destaca no cenário dos estudos de população no Brasil pelo uso inédito de informações produzidas sobre resíduos sólidos urbanos e a interação de sua produção com aspectos socioeconômicos e demográficos. Os resultados indicam que a concentração de domicílios unipessoais, população e chefes com 60 anos e mais, e idade média elevada, algo como um "perfil demográfico urbano-contemporâneo", surge recorrentemente como aspecto demográfico central na diferenciação de áreas de maior geração per capita. Estes fatores são associados constantemente à renda e escolaridade elevadas.

ASSUNTO(S)

população meio ambiente consumo resíduos sólidos urbanos

Documentos Relacionados