Criança, negligência e saúde bucal

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT

DATA DE PUBLICAÇÃO

18/11/2011

RESUMO

INTRODUCAO O Estatuto da Crianca e do Adolescente determina que toda crianca tenha direito a protecão à vida e à saúde, através de efetivas políticas sociais públicas que permitam o desenvolvimento sadio e harmonioso. No entanto, a doenca cárie, apesar dos grandes avanços das políticas de saúde bucal, continua sendo um grave problema, comprometendo este desenvolvimento preconizado. Dentre os fatores associados á alta prevalência de cárie na população infantil está a falta de cuidado dos pais/responsáveis com a saúde bucal de seu filho, sendo isto caracterizado como um ato de negligência. Entretanto, apesar do possível vínculo entre a prevalência de cárie dentária e a existência da negligência, pouco se sabe sobre a relação entre estes, que é o objetivo maior da presente pesquisa. METODOLOGIA Estudo com abordagem quantitativa, o qual se deu em dois momentos. No primeiro todas as crianças de cinco anos do município de Pacoti, Ceará, foram submetidas à exames bucais e exame físico. No segundo momento dois grupos foram separados: um grupo-controle, com os pais/cuidadores das criancas com baixo ceo-d, e um outro grupo com pais/cuidadores das criancas com alto indice ceo-d. Em ambos os grupos foi realizada entrevista baseada em um questionário semi-estruturado. RESULTADOS Foram realizados 149 exames físicos e bucais. No exame bucal, o ceo-d médio foi de 2,75 (+-2,83), 16 criancas tiveram valores extremamente altos (ceo-d>=7), 48 valores baixos (ceo-d = 0) e 85, valores intermediarios-altos (1 <= ceo-d >= 6). Associações significativas foram encontradas entre higiene geral e higiene das unhas (p>0,001) e dos cabelos (p>0,001). Tambem, entre índice de experiência de cárie e motivo da última consulta (p=0,011). Houve associações significativas entre número de dentes cariados e classificaçãao dada pelo entrevistado à saúde bucal da criança (p=0,001). Verificou-se que houve uma tendência de associação (0,05

0,1) entre higiene geral e número de dentes cariados (p=0,079), higiene geral e índice de experiência de cárie (p=0,083), índice de experiência de cárie e quantidade de vezes que a criança escova os dentes (p=0,086), índice de experiência de cárie e saúde bucal afeta relacionamento da criança na escola (p=0,077). DISCUSSAO Foi possível identificar importantes fatores sugestivos de negligência para discussão nesse estudo. Detectar negligência dos pais em relacao à saúde bucal de seus filhos, na maioria das vezes, é uma tarefa difícil. Porém, alguns fatores indicativos de negligência podem e devem ser identificados, como se propôs nosso estudo. CONCLUSAO Podemos concluir com este estudo que houve relação entre o índice ceo-d; a percepcao dos pais/cuidadores sobre a saúde bucal de seus filhos; o acesso das crianças de cinco anos de idade a atenção odontológica e os fatores de risco e alterações sugestivas de ato negligenciador. Nenhum dos entrevistados relatou dificuldade de acesso ao servico como justificativa para a criança não ter ido ao dentista em momento algum da vida.

ASSUNTO(S)

crianÇas - saÚde bucal - dissertaÇÕes cÁries dentÁrias - dissertaÇÕes assistÊncia À saÚde - dissertaÇÕes saude coletiva

Documentos Relacionados