Documento


Anatomia óssea, muscular e do movimento das regiões glútea e coxa do Tamanduá bandeira Myrmecophaga tridactyla (Myrmeco phagidae: Pilosa) / Anatomy of movement of the gluteal region and thigh of the giant anteater Myrmecophaga tridactyla (Myrmecophagidae: Pilosa)

AUTOR(ES)
FONTE

IBICT

DATA DE PUBLICAÇÃO

27/07/2012

RESUMO

CAPÍTULO 2: O tamanduá bandeira é a maior espécie de tamanduá do mundo. É um animal de hábitos terrestres, entretanto apresenta alguma habilidade para escalar árvores e cupinzeiros altos. As estruturas esqueléticas duras são de importância vital, pois unem e protegem os órgãos moles e permitem sustentar o corpo, dão forma e se envolvem no movimento. O esqueleto apendicular é parte importante do aparelho locomotor, cujas informações anatômicas em espécies selvagens são escassas, tornando difícil a interpretação de dados relativos a esses ossos. O presente artigo teve por objetivo descrever o esqueleto da região glútea, coxa e perna do tamanduá bandeira. Foram utilizados dois espécimes de Myrmecophaga tridactyla Linnaeus (1758) fixados em solução aquosa de formaldeído a 3,7%. Inicialmente os membros foram desarticulados e foi realizada a retirada da pele, vísceras e musculatura associada aos ossos da região glútea, coxa e perna dos espécimes. Em seguida os mesmos foram macerados em água fervente e posteriormente colocados em solução de peróxido de hidrogênio. Depois de limpos e secos, os ossos foram identificados e descritos. O esqueleto da região glútea do tamanduá bandeira é constituído pelo osso do quadril, formado pelos ossos ílio, púbis e ísquio; a coxa é constituída pelo osso fêmur; e a perna pelos ossos tíbia e fíbula. Na região da articulação do joelho encontra-se a patela, um osso sesamóide relativamente pequeno, considerando-se o grande porte do animal. Os tamanduás bandeira possuem características osteológicas da região glútea, coxa e perna semelhantes àquelas dos carnívoros domésticos, entretanto algumas diferenças morfológicas são evidenciadas, o que pode refletir as diferenças dos padrões locomotores. CAPÍTULO 3: Tamanduás bandeira são animais reconhecidamente fortes, que por serem especializados na escavação e abertura de cupinzeiros e formigueiros, apresentam um volume muscular consideravelmente maior nos membros torácicos em relação aos pelvinos. No entanto, a capacidade de assumir posição em tripé, denota força significativa dos músculos dos membros pelvinos, e não apenas dos membros torácicos. A descrição miológica dos diversos segmentos de diferentes espécies tem sua importância revelada pelo fato da caracterização anatômica dos músculos fornecer informações relevantes sobre hábitos alimentares, força e comportamento. O presente artigo teve por objetivo descrever os músculos da região glútea do tamanduá bandeira. Foram utilizados três espécimes de Myrmecophaga tridactyla Linnaeus (1758). Os animais estudados foram fixados em solução aquosa de formaldeído a 3,7% e posteriormente, conservados imersos em cubas opacas contendo solução de igual concentração. A preparação dos espécimes para análise seguiu as técnicas de dissecação usuais em anatomia macroscópica. A região glútea dos espécimes estudados é constituída pelos músculos glúteo superficial, glúteo médio, glúteo profundo, gêmeo, quadrado femoral e obturador interno. Embora apresentem menor quantidade de músculos na região glútea quando comparados a outros mamíferos domésticos, os tamanduás bandeira possuem considerável capacidade de extensão da articulação do quadril, movimento realizado também por estes músculos. CAPÍTULO 4: O tamanduá bandeira (Myrmecophaga tridactyla) é um mamífero da ordem Pilosa que se encontra listado como espécie potencialmente vulnerável à extinção. Sendo o movimento um dos aspectos que afeta a vida do animal, o conhecimento da forma e estrutura dos músculos e as possíveis inferências feitas com base na morfologia podem contribuir para avanços na sua preservação e conservação. O presente artigo teve por objetivo descrever os músculos da coxa do tamanduá bandeira. Foram utilizados três espécimes de Myrmecophaga tridactyla Linnaeus (1758). Os animais estudados foram fixados em solução aquosa de formaldeído a 3,7% e posteriormente, conservados imersos em cubas opacas contendo solução de igual concentração. A preparação dos espécimes para análise seguiu as técnicas de dissecação usuais em anatomia macroscópica. A coxa dos espécimes de Myrmecophaga tridactyla estudados é constituída pelos músculos tensor da fáscia lata, bíceps femoral, semitendíneo, semimembranáceo, abdutor crural caudal, grácil, pectíneo, quadríceps femoral, adutores curto, longo e magno e sartório. Esses músculos se originam no osso do quadril e superfície dos terços médio e proximal do fêmur e se inserem nas superfícies do terço distal do fêmur e terços proximal e médio da tíbia e proximal da fíbula, agindo sobre as articulações do quadril e joelho. Por serem os responsáveis pelos padrões de movimentos realizados nesses segmentos são determinantes na locomoção desses animais. CAPÍTULO 5: A locomoção revela o modo de deslocamento e comportamento das espécies nas suas necessidades diárias. De acordo com as diferentes necessidades das diversas espécies, diferentes padrões locomotores são adotados. As formas e pontos de fixação dos músculos nos ossos são importantes determinantes dos movimentos realizados nas diferentes articulações e, por conseguinte, dos padrões de locomoção e movimentação dos seres vivos. O presente artigo teve por objetivo associar os aspectos anatômicos, cinesiológicos e biomecânicos da região glútea e coxa do tamanduá bandeira às suas características de movimentação e hábitos locomotores. Utilizaram-se três espécimes de Myrmecophaga tridactyla Linnaeus (1758). Os animais utilizados foram fixados em solução aquosa de formaldeído a 3,7% e posteriormente, dissecados usando as técnicas usuais em anatomia macroscópica. As características morfológicas da região glútea e coxa que influenciam os padrões de movimento e locomoção dos animais foram analisadas e discutidas à luz da literatura. A região glútea dos tamanduás bandeira é constituída pelos músculos glúteo superficial, glúteo médio, glúteo profundo, gêmeo, quadrado femoral e obturador interno. A coxa é constituída pelos músculos tensor da fáscia lata, bíceps femoral, semitendíneo, semimembranáceo, abdutor crural caudal, grácil, pectíneo, quadríceps femoral, adutores curto, longo e magno e sartório. Todos os músculos da região glútea e coxa do tamanduá bandeira apresentam disposição paralela das fibras musculares, sendo planos ou fusiformes. Esses músculos formam nas articulações sobre as quais agem bioalavancas do tipo interpotente. Essas características morfológicas indicam maior predominância de amplitude e velocidade de movimento em detrimento da força. Por outro lado outras características apontadas por outros autores e a observação da movimentação do tamanduá bandeira indicam o oposto, o que reflete a falta de especialização desse animal quanto aos hábitos locomotores e sinaliza a necessidade da realização futura de estudos mais detalhados a esse respeito.

ASSUNTO(S)

cinesiologia biomecânica locomoção músculos movimento morfologia xenarthras osteologia medicina veterinaria anatomia veterinária tamanduá - anatomia biomechanics locomotion movement muscles morphology locomotion xenarthras osteology kinesiology




Comentários