A spinoffs study applied to the airline industry

AUTOR(ES)
FONTE

J. Transp. Lit.

DATA DE PUBLICAÇÃO

31/03/2014

RESUMO

As empresas do setor aéreo têm sido discutidas recentemente quanto à gestão de algumas das suas divisões não-essenciais, como seus Programas de Milhagem. Uma "spinoff" é uma forma de contração que muitas empresas recentemente escolhido. Através de um spinoff, tanto a controladora quanto a controlada podem se concentrar em sua própria atividade, o que se traduz em um melhor desempenho de ambas as entidades. Este trabalho estuda as circunstâncias em que um spinoff é uma boa estratégia de ser perseguida, juntamente com algumas questões importantes que devem ser considerados para se chegar a tais acordos. Spinoffs são, basicamente, um "downsizing" da empresa-mãe e, portanto, a empresa menor deve ser economicamente mais viável por si só, do que como uma parte de sua controladora. A motivação para analisar este tema específico vem de uma questão de interesse atual: Em que circunstâncias seria vantajoso para uma companhia aérea a se desfazer de sua divisão de Programa de Milhagens, ou de outras divisões que não estão diretamente relacionados com a operação da companhia aérea? Neste trabalho, é realizada uma revisão da literatura apresentando as diferentes formas de contração corporativa e seu desempenho em diferentes circunstâncias. Três casos relacionados com a indústria da aviação são abordados: os spinoffs do TripAdvisor da agência web Expedia, do Programa de Milhagem Aeroplan da Air Canada, e do sistema de distribuição Sabre da American Airlines. Esses três casos ilustram algumas das principais questões que devem ser cuidadosamente considerados quando do spinoff de uma subsidiária. O trabalho conclui que os spinoffs são uma estratégia inteligente quando o foco da divisão removida é diferente daquele da empresa-mãe. No entanto, para salvaguardar as relações de negócios futuros, as duas entidades devem negociar acordos detalhados que são robustos o suficiente para desempenhar com sucesso em todas as circunstâncias antecipáveis.Airlines have been recently debated the management of some of their non-core divisions, such as the Frequent Flyer Program (FFP). A spinoff is a form of corporate contraction that many companies have recently chosen. Through a spinoff, both the parent company and the divested subsidiary can each focus on their own activity, which translates into a better performance of both entities. This paper studies the circumstances in which a spinoff is a good strategy to pursue, along with some important issues that must be considered when reaching agreements. Spinoffs are basically a "downsizing" of the parent firm; therefore, the smaller firm must be economically more viable by itself than as a part of its parent company. The motivation for analyzing this particular topic comes from a question of current interest: Under what circumstances is it advantageous for an airline to spin off its Frequent Flyer Program, or other divisions that are not related with the airline's operation? In this paper, an extensive literature review introduces the reader to the different forms of corporate contraction and their performance under different circumstances. Three cases related to the airline industry follow: the spinoffs of TripAdvisor from the web agency Expedia, of Air Canada's FFP Aeroplan, and of American Airline's distribution system Sabre. These three cases illustrate some of the key issues that must be carefully considered when spinning off a subsidiary. The paper concludes that spinoffs are a smart strategy when the focus of the spun off division is different from that of the parent company. However, to safeguard future business relationships, the two entities must negotiate detailed agreements that are robust enough to perform successfully in all foreseeable circumstances.

ASSUNTO(S)

engineering

Documentos Relacionados